Vereador de Mato Grosso quer proibir venda de 'pulseira do sexo'

Vereador de Mato Grosso quer proibir venda de 'pulseira do sexo'

CUIABÁ

Fátima Lessa, especial para o Estado, O Estadao de S.Paulo

06 de abril de 2010 | 00h00

Tramita na Câmara de Vereadores de Várzea Grande, em Mato Grosso, um projeto de lei que proíbe o uso, nas escolas da rede municipal, das pulseiras de plásticos coloridas conhecidas como "pulseiras do sexo".

De autoria do vereador Antonio José de Oliveira, o Toninho do Glória (PV), o projeto prevê autonomia e poder a diretores de escolas para proibir o uso de tais adereços. A proibição seria precedida de um trabalho de conscientização das crianças, adolescentes, pais e professores.

O vereador que ir além do veto ao uso: quer também impedir a venda na cidade. Assessores preparam um aditivo ao projeto.

Os adereços viraram moda entre os adolescentes brasileiros no fim do ano passado. Elas fazem parte de um jogo que começou a ser difundido nos Estados Unidos.

Cada cor de pulseira representa uma forma de sexo e quando ela é arrebentada por alguém, o dono do acessório é obrigado a fazer o que corresponde à cor da pulseira. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.