Vereadora chocou cidade de Aspásia

Ela apresentou diploma falso em Itapecerica

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

08 Março 2012 | 03h03

Os 87 votos recebidos, somados à força de uma coligação entre os partidos PP, PSB e PFL (atual DEM), foram suficientes para eleger Jicélia Duca vereadora de Aspásia, no interior de São Paulo, nas eleições de 2004. Ela garantira, naquele pleito, o direito a seu segundo mandato na Câmara.

Não foi com pouco espanto que a pequena cidade, com menos de 2 mil habitantes, próximo a Jales, recebeu a notícia de que a vereadora Jicélia foi descoberta com um diploma falso ao tentar dar aulas de artes em uma escola estadual. O caso ocorreu em 2006, quando era vereadora.

Jicélia queria dar aulas em uma escola em Itapecerica da Serra, região metropolitana de São Paulo. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, a portaria de admissão da docente, de 2006, foi tornada sem efeito um mês após a publicação, sem que tivesse aulas atribuídas. Mas o impacto na vida dela foi enorme.

"Sabe como é cidade pequena, todos ficaram sabendo. Ela realmente comprou o diploma, assumiu no processo que correu contra ela", afirma a atual vereadora Rute Teodoro da Silva Brito (PMDB). A informação sobre a vereadora é que ela chegou a cursar dois anos, mas não se formou. Com o objetivo de lecionar, buscou um documento falso - mas foi denunciada.

Jicélia era filiada ao DEM e tentou se apresentar para o pleito de 2008. Mas sua própria coligação na eleição municipal (Administração Para Todos, formada entre PT, DEM, PP) pediu, e conseguiu, a impugnação de sua candidatura. Ela foi condenada por crimes na Lei de Licitações quando era vereadora.

A família de Jicélia, incluindo marido e filhos, ainda mora em Aspásia. Ela, no entanto, mudou-se para Coxim, em Mato Grosso do Sul. É professora municipal. "Depois daquilo ela foi fazer a faculdade", disse Rute.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.