Vermes como remédio

Para muitos seres vivos, seu meio ambiente é outro ser vivo. São animais, bactérias e vírus que vivem dentro de um hospedeiro. A relação entre esses seres e seu meio ambiente é complexa, pois o ambiente é vivo e capaz de reagir à presença do hóspede.

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2012 | 02h00

Em alguns casos, o hóspede é agressivo e destrói rapidamente seu ambiente. É o caso do vírus Ebola, capaz de matar o humano infectado em questão de dias. Em outros, a sobrevivência do hóspede é impossível, como no caso de um vírus de sarampo que tenta se acomodar no corpo de uma criança vacinada. O vírus é destruído em questão de horas por um sistema imune alerta e preparado.

Mas existem casos em que hóspede e hospedeiro convivem amigavelmente e se ajudam. É o caso das bactérias nas raízes de plantas como feijão e soja. Elas invadem as raízes e são muito bem recebidas. Vivem dos nutrientes recebidos da planta hospedeira, mas em troca transformam o nitrogênio no ar em compostos nitrogenados necessários para o crescimento do hospedeiro. Como as plantas não são capazes de produzir esses compostos, a relação é do tipo ganha-ganha.

No nosso corpo também há uma relação cordial entre nosso intestino e as bactérias que lá habitam. As dezenas de espécies de bactérias que constituem nossa flora intestinal têm um papel importante na nossa digestão e no bom funcionamento do sistema digestivo.

Desde que o homem moderno surgiu, há mais de 200 mil anos, convivemos com uma variedade enorme de seres que vivem e se reproduzem dentro de nosso corpo. São vírus, bactérias, fungos, amebas e diversos tipos de vermes. Nossa relação com cada um desses hóspedes varia. Em alguns casos, eles nos matam; em outros, ajudam; e muitas vezes são simplesmente tolerados e controlados por nosso sistema imune.

O Homo sapiens foi selecionado e sobreviveu por milhares de anos na presença desses outros seres, mas nos últimos 200 ou 300 anos aconteceu um fenômeno novo. Com o desenvolvimento da medicina, descobrimos que muitos desses seres são responsáveis por doenças. Essa descoberta levou o Homo sapiens a desenvolver métodos poderosos para tornar a vida desses hóspedes impossível. São os antibióticos, os antifúngicos, os vermífugos e as vacinas.

Essas novas tecnologias acabaram com muitas doenças e, infelizmente, no início do século 20 nos levaram a crer que todo e qualquer ser vivo que habitasse nosso corpo deveria ser exterminado. A água encanada e tratada, os alimentos higienizados e outras tecnologias também diminuíram muito nossa exposição a esses seres vivos. No auge desse movimento, até a lavagem periódica dos intestinos chegou a ser recomendada.

Mas, no século 20, ao mesmo tempo que muitas dessas doenças desapareceram, surgiu um novo problema, o crescimento muito rápido de diversas doenças autoimunes, ou seja, o sistema imune de um corpo passa a atacar esse próprio corpo. Entre essas doenças está a colite ulcerativa e a síndrome de Crohn, que afetam nosso intestino.

Por volta de 1990, alguns cientistas tiveram uma ideia radical. Será que parte dessas doenças autoimunes não seria causada pela eliminação desses nossos hospedeiros nas sociedade moderna? Assim como as bactérias presentes no intestino são necessárias para seu bom funcionamento, eles imaginaram que a eliminação dos vermes de nosso intestino poderia ser a causa da síndrome de Crohn e da colite ulcerativa.

Para testar essa hipótese, decidiram tratar pacientes com vermes vivos. Escolheram um verme que infecta tanto homens quanto porcos, que sobrevive somente algumas semanas no nosso intestino e não causa doenças. O verme, Trichuris muris, foi produzido em porcos e seus ovos, depois de limpos, foram administrados aos pacientes.

Em 2005, no primeiro teste, um único paciente engoliu 2,5 mil ovos vivos. Semanas depois, os sintomas desapareceram e ele melhorou. No segundo experimento, três pacientes foram tratados e os bons resultados, confirmados. Num teste maior, 29 pacientes com doença de Crohn foram tratados com ovos desse verme. Após 24 semanas, 80% deles estavam melhor e 72% deixaram de apresentar todos os sintomas. Resultados semelhantes foram obtidos em testes com pessoas com colite ulcerativa.

Esses resultados levaram companhias farmacêuticas a iniciar o desenvolvimento de remédios para essas doenças baseados na ingestão de parasitas vivos e levaram muitos cientistas a investigar como a presença de vermes no intestino evita a reação autoimune.

Hoje esses remédios estão nas últimas fases dos testes clínicos e já se compreende como a presença desses hóspedes em nosso intestino evita o aparecimento dessa doença. Tudo indica que nosso sistema imune evoluiu para combater e controlar esses parasitas e, na sua falta, a capacidade bélica de nosso sistema imune se volta contra nosso próprio corpo.

Ingerir ovos vivos de vermes para evitar doenças autoimunes é desagradável, mas talvez o erro da humanidade tenha sido eliminar de nosso corpo todo e qualquer verme, tanto os que causam doenças como os necessários para a manutenção da saúde. A melhor evidência de que a medicina transformou vermes em inimigos é a aversão que temos à ideia de ingerirmos ovos de vermes - mas o curioso é que as mesmas pessoas que têm nojo de vermes já se habituaram a ingerir iogurtes com bacilos vivos para manter saudável sua flora intestinal.

Surgimos e convivemos por 200 mil anos com seres vivos no corpo. Agora temos de aceitar que parte deles provavelmente é necessária para nos mantermos saudáveis. É mais uma dimensão de nossa íntima relação com os seres vivos, tanto os que nos cercam por fora quanto por dentro.

* BIÓLOGO

MAIS INFORMAÇÕES: THE WORM RETURNS. NATURE,  VOL. 491,  PÁG. 183,  2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.