Viagem ao Brasil em 2007 foi estratégica

Visita foi calçada em canonização de Frei Galvão e fortalecimento da evangelização

FERNANDA BASSETTE, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2013 | 02h02

O papa Bento XVI veio ao Brasil em maio de 2007 em uma visita considerada estratégica pelo Vaticano: aqui seria realizada a 5.ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, na cidade de Aparecida (SP), e Frei Galvão se tornaria o primeiro santo brasileiro.

Em sua primeira viagem cruzando o Atlântico na condição de chefe da Igreja Católica, a ideia era fortalecer a evangelização na América Latina, especialmente no Brasil, um dos países com maior contingente de católicos do mundo.

A cidade de São Paulo foi palco de dois grandes eventos: o encontro da juventude, realizado no Estádio do Pacaembu para 35 mil jovens, e a canonização de Frei Galvão, em cerimônia realizada no Campo de Marte na presença de mais de 1 milhão de fiéis.

Segundo o padre Michelino Roberto, pároco da Igreja Nossa Senhora do Brasil, a visita do papa foi importante para que o Brasil pudesse conhecer melhor quem realmente era Bento XVI.

"Havia muita comparação dele com João Paulo II. Na época, diziam que ele não tinha o mesmo carisma, que ele era mais fechado. E, apesar de eles serem muito diferentes, a população brasileira pôde perceber que Bento XVI tinha um grande carisma, era um homem humilde e simples", avalia o padre, que exercia a função de vice-coordenador de imprensa na época da visita do papa ao País.

Vigília. Uma multidão de fiéis fazia vigília dia e noite em frente ao Mosteiro de São Bento, onde o papa ficou hospedado, apesar da baixa temperatura - naqueles dias fazia, em média, 12 graus.

Padre Roberto diz que Bento XVI quebrou o protocolo ao aparecer diversas vezes na sacada do mosteiro para acenar e orar com a população. "Estava programado que ele apareceria na sacada duas, três vezes no máximo. E ele apareceu várias vezes para atender ao chamado do público. Foram momentos muito marcantes", diz.

O contato com a juventude durante o evento realizado no Pacaembu também foi considerado um ponto alto da visita.

"A juventude é muito importante para o futuro da igreja. E nesse encontro Bento XVI encorajou os jovens a viver os valores da fé. Essa visita sem dúvida ajudou o papa a conquistar o coração dos brasileiros. Ele não era João Paulo II, mas mostrou que a igreja estava segura em suas mãos", diz Roberto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.