Viciado em crack migra após ocupação de favelas no Rio

Com a ocupação policial nos Complexos de Jacarezinho e Manguinhos, na zona norte do Rio, usuários de crack migraram para viadutos da Avenida Brasil, perto da Ilha do Governador. Eles se escondem atrás de tapumes da obra do BRT Transcarioca, corredor de ônibus que vai ligar a Barra da Tijuca ao Aeroporto do Galeão.

FELIPE WERNECK, Agência Estado

20 de outubro de 2012 | 08h53

Desde a ocupação, no domingo, 240 usuários foram levados a abrigos da prefeitura. Desses, 224 são adultos (sem obrigação de seguir internados) e 127 continuam nos abrigos. Procurado, o secretário de Saúde, Hans Dohmann, não deu entrevista.

Autorizado pela Justiça, o tratamento compulsório de jovens dependentes é questionado pelo Conselho Regional de Psicologia (CRP-RJ), que aponta "regresso à lógica manicomial" em abrigos mantidos pela prefeitura. Há 178 vagas para internação compulsória no Rio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
crackocupaçãofavelasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.