Vigilância fecha clínica em SC após mortes de mulheres

Uma clínica particular foi interditada pela Vigilância Sanitária nesta manhã em Joaçaba, Santa Catarina. Duas pacientes morreram na semana passada após realizarem um exame de endoscopia. Outros cinco pacientes que passaram pela clínica também apresentaram problemas de saúde e estão internados em hospitais da região.

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

17 de maio de 2010 | 16h40

Um médico gastroenterologista, de 31 anos, responsável pelos exames, foi detido pela Polícia Civil dentro no estabelecimento na última sexta-feira, suspeito de homicídio e lesão corporal. Ele foi liberado depois de prestar depoimento e pagar fiança.

A polícia suspeita que as vítimas morreram por causa do uso da pomada anestésica lidocaína. Maria Rosa de Almeida dos Santos, de 51 anos, e Santa Pagliarini Sipp, de 60 anos, tiveram parada cardiorrespiratória. Os laudos periciais e exames bioquímicos apontarão as causas das mortes. As análises devem ser concluídas em 30 dias. O Conselho Regional de Medicina de Santa Catarina informou que abrirá sindicância para apurar o caso.

Agentes da Vigilância Sanitária estiveram hoje no local e recolheram material para análise. Segundo a diretora da vigilância estadual, Raquel Ribeiro Bittencourt, já foi constatado que o estabelecimento tem licença para funcionar apenas como consultório e não como clínica e, portanto, não estaria apto para a realização de exames.

Tudo o que sabemos sobre:
SCvigilânciaclínicaendoscopiamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.