Vilarejo pede para desaparecer do mapa e 'enganar' GPS

Pequenos bairros na Inglaterra sofrem com tráfego desproporcional de caminhões, causado por navegadores

04 de dezembro de 2007 | 15h20

O vilarejo inglês de Wedmore é pobre, com ruas estreitas construídas há séculos. Caminhões passam apertados pelas esquinas íngremes e árvores baixas na calçada. Tudo por culpa de navegadores GPS usado pela maioria dos veículos, que colocam a cidade como rota alternativa no interior da Inglaterra. A solução é simples para o poder público e moradores: "Tirem o vilarejo do mapa", afirma Geoff Coombs, prefeito do bairro vizinho, Barrow Gurney.   A reportagem foi publicada nesta terça-feira, 4, pelo The New York Times e mostra o problema enfrentado por caminhoneiros no vilarejo. "Eles não têm idéia de onde estão", disse ao Times o comerciante Wayne Hahn, que assiste diariamente à uma verdadeira "parada" de carros nas ruas. De acordo com ele, os veículos batem em postes, perdem retrovisores e ficam presos no pé das montanhas da região.   A culpa do problema é da tecnologia. Wedmore e Barrow estão listados nos navegadores GPS usados por transportadoras para orientar seus funcionários. A rota é ideal para chegar rápido ao Aeroporto de Bristol. Por isso, a vontade é abolir os vilarejos do mapa.   "Nós mapeamos a realidade, e as ruas, postes e infra-estrutura da estrada estão na realidade", afirmou ao Times o porta-voz da Tele Atlas, fabricante de GPS, Dirk Snauwaert. "Não podemos simplesmente mudar nossa base de dados e dizer ao motorista 'Você não pode dirigir por esta rodovia', quando na verdade ele pode." Para o porta-voz, a comunidade local deveria cobrar das autoridades mais sinalização indicando a motoristas que as estradas não são preparadas para receber caminhões.   Enquanto isso, danos e mais danos são causados pelo tráfego desproporcional de veículos. Em Wedmore, o comerciante Wayne Hahn diz ter perdido 1,5 mi libras para consertar a parede de sua loja, destruída por um caminhão. Antes de terminar a reforma, outro caminhão bateu no mesmo lugar.

Tudo o que sabemos sobre:
GPSTecnologiaCarros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.