Vinda do papa chama atenção para mudança, diz d.Orani

Em visita à favela de Varginha, na zona norte da capital fluminense, que receberá o papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o arcebispo do Rio de Janeiro, d. Orani Tempesta, disse que um dos objetivos da presença do pontífice é dar visibilidade às dificuldades vividas pelas comunidades pobres e chamar a atenção para a necessidade de mudanças. Por isso, explicou, foi escolhida uma favela pouco conhecida e muito carente de melhorias.

LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

18 de maio de 2013 | 13h09

D. Orani celebrou uma missa na igreja São Jerônimo Emiliani, onde o papa terá encontro com moradores e padres da região e abençoará o novo altar. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada neste sábado (18) mostrou que a prefeitura está fazendo uma série de obras na Varginha, mas apenas no trecho de 300 metros entre a igreja e o campo de futebol onde o papa fará um pronunciamento.

"Uma das finalidades da visita do Santo Padre é despertar atenção para a favela e para Guaratiba (bairro da zona oeste onde haverá uma vigília e a missa de encerramento da Jornada) e para a necessidade de dignidade, de melhoria de vida, de trabalho, de habitação. Isso vai levar a reivindicações. Seria bom se ele pudesse visitar todas as favelas para que acontecesse a mesma coisa", disse d. Orani, presidente do Comitê Organizador Local (COL) da Jornada.

Segundo d. Orani, houve um pedido das forças de segurança para que a favela visitada tivesse Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) e Varginha foi escolhida por oferecer melhores condições de segurança para a chegada e a saída do papa. Na homilia, o arcebispo do Rio disse que a escolha "não foi feita no gabinete, mas visitando as comunidades".

Ele afirmou aos fiéis que a visita do papa "é um sinal de que ele quer ir a todas as pessoas da periferia". "Vocês serão visitados em nome das mais de 750 comunidades do Rio. Não é um privilégio, mas um serviço e uma grande responsabilidade", disse.

"Fomos escolhidos não por sermos os melhores, mas por sermos os menores", afirmou o padre Márcio Queiroz, pároco da paróquia de Nossa Senhora de Bonsucesso, que reúne as capelas de Complexo de Manguinhos, onde fica a favela de Varginha. "A Varginha tem 370 famílias e é uma das comunidades mais pobres. Acabamos de passar pela pacificação, vivemos a esperança de dias melhores. Não vamos maquiar a realidade, vamos vivenciar o dia-a-dia", afirmou o padre Márcio sobre a visita do papa. Manguinhos recebeu uma UPP em janeiro deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
papa FranciscovisitaRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.