Vinhos 2007 da Bodega Chacra

 Os vinhos da Chacra são os melhores feitos com a Pinot Noir na América do Sul que já provei, especialmente o Cincuenta y Cinco 2007. Vinhos elegantes, que remetem à Bourgogne, ou melhor, a bons tintos de produtores e vinhedos de primeira daquela região francesa.Barda: É o mais simples e pode ser bebido já. Bonita cor, rubi-claro, típica da Pinot. Deve evoluir na garrafa. Elaborado com uvas de vinhas mais novas e vinhos de barricas que não chegaram ao nível para entrar nos mais caros e caprichados. O aroma impressionou. Intenso, com muita fruta. Um vinho potente, com 14 graus. Melhorou com o tempo. Ficaria melhor se decantado com antecedência. Primeira impressão na boca excelente, muita fruta, redondo. Foi ficando um pouco rústico, alcoólico e meio tânico. Ligeiríssimo amargor ao final (R$130).Chacra Cincuenta y Cinco: Vinhas velhas dão um vinho redondo, gostoso e charmoso. Também bonito, com cor típica da Pinot. O que eu escolheria para um belo jantar no mesmo dia. Aroma potente, complexo. As nuances mudaram conforme evoluía no copo. Equilibrado, macio, sedoso e longo. Elegante e encorpado ao mesmo tempo, o que não é fácil (R$180).Chacra Trinta y Dos: Um tinto bonito, rubi-claro, com aroma espetacular, pedindo tempo na garrafa. Aroma mais do que complexo e potente. Evocações de frutas convivem com lembranças florais. Sugestões longínquas de alguma coisa de tostado, talvez carvalho das barricas nas quais repousou. Na boca, ótimo, mas austero, não tão alegre e evidente como o Chacra 55. Começou maravilhosamente na boca, depois caiu um pouco. Meio ressecante e tânico. O tempo deve cuidar disso. (R$420). Todos da Expand, tel. 3847-4747.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.