Vinhos para las calaveritas

No seu blog The Pour, no New York Times, alguns anos atrás, Eric Asimov elogiou os vinhos mexicanos. Pensei que fosse a tradicional pegadinha de 1º de abril no jornalismo de língua inglesa. Já fiz degustação de ótimos mescais artesanais. Ainda me lembro do Pierde Almas, no qual se sentia o que era a bebida, com o verdor do agave, o defumado do processo de destilação rudimentar e o soco no cérebro dos quase 60° de álcool... É uma bebida tão especial que só se vendem três garrafas por ano, no máximo, na La Maison du Whisky, em Paris. No mundo dos destilados, a palavra exclusivo costuma significar milhões de litros e virou piada - ao contrário dessa exclusividade de fundo de quintal. Mas comecei com os fermentados e zonzeei com o mescal...

Luiz Horta, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2012 | 02h10

Vinhos mexicanos? O artigo de Asimov era sério, porém esqueci do assunto. Parecia remoto demais e a chance de um dia beber tais líquidos, inexistente.

Garrafas, porém, viajam. Hoje e amanhã, Dia de los Muertos, o restaurante Obá mantém o festival de cardápio harmonizado com os tais vinhos - que vem acontecendo desde outubro. Minha curiosidade se reacendeu.

Fiz o dever de casa e entendi o elogio do crítico nova-iorquino. Bastava olhar o mapa e ler os rótulos, a chave está lá: é a denominação de origem Baja California. Uma longa tripa de terra que avança sul abaixo no Pacífico. Califórnia, México, mesmas condições climáticas dos nomes mais familiares de Napa Valley - Sonoma, Carneros.

Solo árido, brisas frias do oceano, montanhas protetoras, calor intenso diurno, queda brusca de temperatura noturna. E a mesma história: missionários espanhóis trazendo uvas em séculos passados, o declínio da produção, a retomada no século 20.

Os vinhos que provei são da vinícola Santo Tomás, que tem 125 anos. Fica, como o nome diz, no Valle de Santo Tomás, e tem aquela liberdade do Novo Mundo de plantar o que quer. O clima é mediterrâneo, o solo granítico e as uvas uma mistura de Rhône e Espanha, com inesperadas presenças, como a Colombard, uva de conhaque, fazendo um bom vinho colheita tardia.

Ainda não há importação no Brasil. As garrafas foram trazidas para o festival, com as combinações assinadas pelo sommelier mexicano Elliot Díaz, e são servidas como cortesia com o cardápio (idealizado pelo chef Gerardo Lugo, do Nicos, da Cidade do México). São vinhos cedidos pelo produtor e pela embaixada para os festejos pátrios, portanto, não comercializados. Não há outro jeito de bebê-los ou comprá-los. Espero que algum importador se interesse pelos brancos e pelos de sobremesa.

Não sei do futuro mexicano no mapa dos vinhos. A produção é pequena, o consumo interno é baixo, mas crescente, embora o vizinhão do norte engula grossa fatia. Quer dizer, não vai sobrar para cá. Talvez seja a única oportunidade de prová-los. Eu gostei, especialmente dos doces. E Viognier me encantou. Previ que essa ia ser a uva branca da moda, pois tem densidade e corpo, é uva de calor, com bons exemplares na Argentina, Chile e Brasil, e como sempre nas minhas previsões, dei com a taça no chão: não cresceu nem o plantio nem o conhecimento sobre ela.

Uma ressalva é que o Valdepeñas Tardo não está no cardápio, mas há outros que não provei, como o Sauvignon Blanc e o Merlot. Ah, para quem está pensando "que casta Valdepeñas é essa, afinal?", a resposta é simples. Foi o nome com que a Tempranillo chegou às Américas, trazida pelos jesuítas espanhóis, da região homônima...

*** Viognier

Aroma floral, bem típico. Na boca é longo, boa acidez, bem feito, sem os riscos que a uva oferece, de amargo final ou excesso de álcool. É engraçado e muito mexicano que o contra rótulo diga 'perfume de gardênia'

** Tardo Valdepeñas

Atraente no nariz, exuberante, quase geleioso. Na boca, peca na baixa acidez frente à doçura. Bom para quem gosta de Pedro Ximenez, parece um pouco um jerez doce. Vai bem com sobremesas de chocolate

*** Tardo Colombard

Curioso ver uma uva tradicionalmente destilada para conhaque e armagnac usada em um vinho de colheita tardia. Aproveitando-se de sua acidez, funciona melhor com a doçura do que na versão tinta do Tardo Valdepeñas

Blog: blogs.estadao.com.br/luiz-horta 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.