Violência volta ao Rio após Pan, polícia acha 7 mortos em favela

Depois das semanas de calmariaque marcaram os Jogos Pan-Americanos, a violência voltou acastigar o Rio de Janeiro, com a descoberta pela polícia nestaquarta-feira de sete corpos dentro de um microônibus roubado,provavelmente resultado de uma guerra entre narcotraficantes. Segundo a polícia, os sete homens encontrados mortosestavam vestidos de preto. O secretário de Segurança do Rio, José Beltrame, afirmouque a polícia acredita se tratar de traficantes da favela daCoréia, zona oeste da cidade, que tentaram invadir uma favelavizinha, a do Carobinha, controlada por outra organização. Em outro incidente, na terça-feira, moradores do Morro daCotia, zona norte, incendiaram dois ônibus e quatro carros emprotesto pela morte de um jovem do bairro. Os moradores dizemque o universitário foi morto pela polícia. "As acusações serão investigadas, mas pode ter sido ação detraficantes ... É muito fácil culpar as instituições desegurança", disse Beltrame. O secretário afirmou acreditar que a nova onda de violêncianão tem relação com o fim das competições do Pan, no domingo. O governador do Rio, Sérgio Cabral, prometeu manter em açãocerca de um terço do contingente adicional de 6.000 homensmobilizado para o policiamento do evento. Antes do início da competição, a polícia matou 19 pessoasem um único dia em uma operação no Complexo do Alemão, em umincidente que foi criticado por entidades de defesa dosdireitos humanos. Especialistas afirmaram que a operação teve o objetivo deservir de alerta para os traficantes. Eles não descartam que oschefões do tráfico tenham feito acordos com a polícia paraevitar a violência durante o Pan. As autoridades negam ter feito esse tipo de acordo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.