Vivendi disputou a compra da GVT com a Telefônica

A francesa Vivendi disputou a compra da GVT, operadora brasileira que atua principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do País, com a Telefônica. A primeira oferta, de R$ 42 por ação, havia sido feita em setembro do ano passado. Depois disso, o grupo espanhol apresentou duas propostas não solicitadas, sendo que a última chegou a R$ 50,50. A oferta vitoriosa da Vivendi foi anunciada em novembro, e chegou a R$ 56 por ação, avaliando a GVT em R$ 7,2 bilhões.

Renato Cruz, O Estadao de S.Paulo

11 de março de 2010 | 00h00

Atualmente, a empresa se encontra em processo de fechar o capital, pois a Vivendi quer comprar 100% da companhia. Os planos de a GVT entrar no mercado de TV por assinatura foram anunciados pela Vivendi na França. Ela é dona de companhias como a Universal e a Canal+, o que explica o interesse da Vivendi em reforçar a atuação da GVT como distribuidora de conteúdo audiovisual. O grupo francês também controla a empresa de jogos eletrônicos Activision Blizzard, que devem ser oferecidos aos clientes de banda larga da GVT no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.