Você tem fome de quê?

Os ingressos para o Paladar Cozinha do Brasil, entre 20 e 21 de setembro, estão esgotando. Mas ainda dá tempo de sentar à mesa dessa festa e cozinhar, conversar e comer com os principais nomes da gastronomia do País

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2014 | 02h07

Gosta de doces? De filosofar sobre cozinha? De beber - cerveja, cachaça, vinho, café? E de pratos típicos de diferentes regiões do País? Se você respondeu sim a ao menos uma das perguntas, no 8º Paladar Cozinha do Brasil vai poder saciar sua fome - ou sede - com os melhores profissionais da gastronomia nacional.

De saber

Cozinha também é lugar para quem quer discutir, aprender e questionar. Por isso, o Paladar Cozinha do Brasil põe em campo um time convocado em diversas áreas para matar sua fome de conhecimento (mas, claro, vai ter comida também!).

A revolução começa na cozinha. André Mifano, chef do Vito, mostra que se reconectar com a natureza e consumir produtos locais é uma boa maneira de começar a mudar o mundo. Sáb. (20/9); 12h30. R$ 150.

Carne sustentável. Por meio de uma degustação, aprenda como escolher, tratar, cozinhar e comer carne de forma sustentável, aliando saúde, meio ambiente e boas receitas. Com Roberto Smeraldi, diretor da Amigos da Terra e do Atá, tem participação de outros especialistas. Dom. (21/9); 15h. R$ 120.

Peixe certo. Aprenda a maneira correta de pescar, conservar e cozinhar cada espécies de peixe. É o que mostram em conjunto o chef Ivan Ralston, do Tuju, novidade mais comentada de São Paulo, e o armador de pesca Antônio Amaral, de Florianópolis. Ah, e a teoria vem acompanhada de degustação. Dom. (21/9); 12h30. R$ 160.

Como transformar um restaurante num império. O abre e fecha de restaurantes comprova: quem começou no ramo e quer manter sua casa no rumo certo tem muito que aprender. E ninguém melhor para ensinar do que Arri Coser, ex-garçom de beira de estrada que construiu o império Fogo de Chão. Mais tarde, o expert em carnes passou um ano revendo processos de gestão e lançou uma nova empreitada, o NB Steak. Sáb. (20/9); 10h. R$ 150. 

Ciclo da fermentação. Pão, queijo, cerveja e vinho: os grandes prazeres da vida juntos numa aula só. Vai perder? A padeira Flávia Maculan, a sommelière Gabriela Monteleone, a beer sommelière Carolina Oda e o queijeiro Bruno Cabral mostram como a fermentação, assunto do momento, une esses produtos. Dom. (21/9); 12h30. R$ 120.

De doce

Fazer doce exige técnica, precisão e mão boa. No Paladar Cozinha do Brasil deste ano escalamos um time de primeira que vai ensinar você a trabalhar como um confeiteiro de verdade. Chocólotras ou adeptos de sobremesas menos doces, todos terão vez. E, claro, em todas as aulas, palestras e oficinas você vai poder provar o que será feito ali, na hora.

Bombom à brasileira. Já recheou chocolate com as próprias mãos? Pois a chef chocolatière da Cau Chocolates, Luciana Lobo, vai ajudar você a produzir bombons, em oficina para 30 pessoas. Ela mostrará que sabores nacionais combinam (e muito) com um bom chocolate. Sáb. (20/9); 14h. R$ 160.

É paçoca. Feita de amendoim, comunzinha, já é deliciosa. Imagine fazer uma artesanal, com diferentes castanhas? Mariana Dias, que trabalhou como confeiteira no concorrido Mocotó, explica como é fácil fazer esse doce tão brasileiro. Sáb. (20/9); 18h. R$ 120.

Doce de restaurante. Dois craques da doçaria brasileira unem forças numa aula imperdível. Arnor Porto, premiado confeiteiro do restaurante do hotel Emiliano, e Saiko Izawa, pâtissière do Attimo, com passagem pelo D.O.M., falam sobre como montar sobremesas que surpreendam, tanto pelo sabor como pela aparência. Sáb. (20/9); 12h30. R$ 160.

Confeiteiro nacional. Ele é um mestre da confeitaria clássica e conquistou o respeito do público paulistano vendendo seus doces, que fazem salivar, são saborosos e impecáveis na técnica. No Paladar Cozinha do Brasil, Flávio Federico avança e investiga como frutas brasileiras podem render ótimas sobremesas. E nada aqui é teórico: ele vai trabalhar junto com os 30 sortudos que forem a sua oficina. Dom. (21/9); 13h. R$ 160.

Caramelo tupiniquim. Nada como caramelo, O doce viciante vai ganhar versão brasileira nas mãos de Rafael Protti, que ensinará o ponto perfeito para fazê-lo. O jovem confeiteiro, recém-chegado ao Brasil, tem um currículo pra lá de respeitável: passou os últimos dez anos em Paris trabalhando com Pierre Hermé e Joël Robuchon, dois gigantes da gastronomia mundial. Dom. (21/9); 16h. R$ 160.

De beber

No Paladar Cozinha do Brasil não faltam opções para quem é bom de copo (e também de taça ou de xícara). A programação tem para todo mundo - amantes de cerveja, vinho, café e cachaça - aproveitar até o último gole. Corra para reservar seu lugar: os ingressos estão acabando.

O que você precisa saber para gostar de cerveja. Vai uma lager, stout ou dunkel? Não sabe? Quem gosta de cerveja, mas se vê perdido em enxurradas de rótulos, pode contar com a ajuda do premiado cervejeiro Alexandre Bazzo, dono da Bamberg, em Votorantim (SP), para se situar nesse universo.Dom. (21/9); 14h. R$ 120.

Histórias em taças. Prove, com a ajuda do enólogo da Miolo, Miguel Almeida, o vinho Merlot Terroir em todas as safras disponíveis. Sáb. (20/9); 17h30. R$ 140.

Cerveja e cachaça. A dobradinha é para os fãs das duas bebidas. Nessa degustação, Paulo Leite, do Empório Sagarana, mostra como harmonizar rótulos de cerveja e cachaça, sem rivalidade. Dom. (21/9); 15h. R$ 120.

Coquetelaria nacional. Drinques brasileiros de A a Z são apresentados pelo mixologista pop de São Paulo Marco de la Roche, da Casa Café. A degustação é por nossa conta. Dom. (21/9); 17h. R$ 160.

Fermentação na xícara. Depois do almoço, nada melhor que um cafezinho. Diferenças na acidez e no corpo de seu café podem variar de acordo com a fermentação. Quem mostra o processo é Mariano Martins, da Martins Café, Sáb. (20/9); 15h30. R$ 120.

Revolução cervejeira. Força criativa da cervejaria brasileira, o premiado Samuel Cavalcanti, da Bodebrown, em Curitiba, fala sobre a revolução pela qual a bebida passa, que se reflete no copo. Dom. (21/9); 13h. R$ 120.

Do Brasil

Já imaginou ter os melhores chefs do País cozinhando na sua frente? Reunimos aqui talentos de todos os cantos, de Alagoas ao Paraná. Não perca a chance única de aprender e provar o que sai das panelas deles. 

Despensa mineira moderna. Tem terra melhor que Minas quando o assunto é comida? Dois dos mais destacados chefs de lá, Felipe Rameh e Fred Trindade, garimparam segredos no interior, cozinham e ensinam o que aprenderam. Dom. (21/9); 17h30. R$ 160.

Meu terroir. Talento da nova geração, a curitibana Manu Buffara recebe elogios não à tôa: realiza sério trabalho com ingredientes locais do seu Paraná, Sáb. (20/9); 17h30. R$ 160.

Ingrediente local, pensamento global. A mais importante chef do Rio, Roberta Sudbrack, que foi cozinheira exclusiva do Palácio da Alvorada, explica como fazer comida complexa usando ingredientes simples. Dom. (21/9); 14h30. R$ 150.

Quem tem medo de dendê? A chef de um dos restaurantes mais concorridos de Salvador, Tereza Paim, leva você a um passeio pela culinária baiana. Dom. (21/9); 16h30. R$ 120.

Cogumelos da Amazônia. Gosta de shiitake e shimeji? Que tal então provar cogumelos brasileiros, encontrados no meio da Amazônia? Felipe Schaedler traz de Manaus essas preciosidades da floresta. Dom. (21/9); 15h. R$ 120.

Manteiga de garrafa. Direto de Maceió, Wanderson Medeiros revela os mil usos da deliciosa manteiga de garrafa nordestina: para grelhar, com limão-siciliano e até para fazer pipoca. Dom. (21/9); 15h. R$ 120.

Desfiando o siri. Muito além da casquinha, os principais chefs capixabas, Barbara Verzola e Pablo Pavon, mostram como fazer saborosos pratos usando a brasileiríssima carne de siri. Dom. (21/9); 12h. R$ 120.

Carne de fumeiro. Prove as tradicionais carnes de sol, seca e de fumeiro preparadas e explicadas pelo chef Edinho Engel, do Manacá, no litoral norte paulista, e do Amado, em Salvador. Dom. (21/9); 10h. R$ 190.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.