Marco Longari/AFP
Marco Longari/AFP

Votação no Egito termina e Irmandade Muçulmana diz liderar

Apuração começou logo depois do fechamento das urnas; grupo mais organizado diz liderar

TOM PERRY E TOM PFEIFFER, REUTERS

24 Maio 2012 | 18h49

CAIRO - Milhões de egípcios votaram nesta quinta-feira, 24, no segundo e último dia do turno inicial da eleição presidencial, e a Irmandade Muçulmana disse que seu candidato está à frente de outros políticos islâmicos e de rivais que participaram do deposto regime de Hosni Mubarak.

Veja também:

link Mubarak acompanhou eleições deprimido e com mulher vestida de luto

som 'Clima geral é de entusiasmo', relata repórter

video Egípcios começam a eleger presidente

É o primeiro pleito presidencial livre na história do país, e não há pesquisas confiáveis. A apuração começou logo depois do fechamento das urnas, às 21h (16h em Brasília). Por meio do seu canal de TV, a Irmandade - grupo político mais organizado do Egito - disse que seu candidato Mohamed Mursi lidera as cifras preliminares em alguns distritos.

Outros candidatos disseram estar à frente em áreas específicas, mas um quadro geral só deve se tornar mais claro no sábado. Se nenhum dos 12 candidatos obtiver maioria absoluta, haverá um segundo turno nos dias 16 e 17 de junho.

Entre os candidatos laicos estão Amr Moussa, ex-chanceler e ex-chefe da Liga Árabe, e Ahmed Shafiq, último premiê de Mubarak. O esquerdista Hamdeen Sabahy corre por fora na disputa. Os egípcios parecem cada vez mais divididos entre os que querem evitar a todo custo a entrega da presidência para um ex-integrante da era Mubarak, e aqueles que temem um monopólio islâmico sobre as instituições de Estado.

A Irmandade Muçulmana formou a maior bancada nas eleições parlamentares de meses atrás, mas as Forças Armadas, que há 60 anos dominam a política do país, retêm considerável influência.

Há quem tema distúrbios nas ruas, especialmente se o vencedor for Shafiq, que a exemplo de Mubarak foi comandante da Força Aérea. Na quarta-feira, Shafiq levou pedradas e sapatadas quando chegava para votar no Cairo.

"Se Shafiq ou Moussa ganharem, eles vão criar uma revolução. Todo mundo vai sair novamente à praça Tahrir", disse Sherif Abdelaziz, 30 anos, eleitor de Mursi, referindo-se à praça no centro do Cairo onde enormes protestos contra Mubarak aconteceram.

Na quinta-feira, houve confrontos entre partidários de Shafiq e Mursi numa aldeia ao norte da capital, com cinco feridos, segundo fontes policiais. No mesmo dia, surgiu no Facebook uma página pregando "revolução se Moussa ou Shafiq vencerem".

Ao cair da noite, Moussa fez um apelo de última hora ao eleitorado. "Agarrem a chance das últimas poucas horas. É vital que votem (...). Saiam, participem da construção de um novo Egito", afirmou ele, caminhando perto do seu comitê de campanha. Ele parou para cumprimentar motoristas presos no congestionamento causado pela cena. "É o presidente", gritou uma mulher.

O candidato acusou Shafiq de usar métodos escusos e espalhar "mentiras" sobre uma suposta desistência sua, e disse que quem deveria desistir é o próprio Shafiq. "Como posso desistir se todos os centros de votação dizem que Amr Moussa está acabado e (...) não tem chance?", reagiu Shafiq.

Mubarak, enquanto isso, contempla o espetáculo democrático a partir de um hospital em um bairro nobre do Cairo, onde está confinado, aos 84 anos, enquanto aguarda seu julgamento por corrupção e pela morte de manifestantes. O veredicto está previsto para o dia 2, duas semanas antes do segundo turno presidencial. A pena de morte é possível, mas improvável.

Mais conteúdo sobre:
EGITO ELEICAO TERMINA* Eleições no Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.