Xiitas sauditas protestam por reforma de direitos humanos

Cerca de 200 xiitas protestaram na Arábia Saudita, para exigir uma reforma dos direitos humanos e denunciar a demolição de mesquitas xiitas no Barein, disseram dois militantes à Reuters.

REUTERS

22 de abril de 2011 | 15h23

O encontro na cidade de Awwamiya, na região petrolífera no leste da Arábia Saudita, desafiou pedido de clérigos xiitas na véspera para o fim dos protestos que já duram dois meses na conservadora província.

Militantes xiitas disseram estar protestando contra a destruição de mesquitas xiitas no Barein pelo governo liderado por sunitas, após a repressão contra o movimento pró-democracia liderado principalmente por xiitas.

A monarquia muçulmana sunita da Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo e um importante aliado dos EUA, não tolera qualquer forma de dissidência pública. À exceção de protestos xiitas dispersos, o reino não viveu as revoltas observadas em outros países da região.

Autoridades sauditas têm sido cada vez mais rígidas em relação aos protestos, prendendo participantes e tornando a viagem independente de jornalistas mais difícil na região leste.

Mais de 160 ativistas sauditas foram presos desde fevereiro, disse o grupo Human Rights Watch em relatório divulgado esta semana.

(Reportagem de Asma Alsharif)

Tudo o que sabemos sobre:
ARABIASAUDITAPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.