Zawahri, da Al Qaeda, diz que EUA enfrentam rebelião muçulmana

Ayman al-Zawahri, número dois no comando da Al Qaeda, disse que os Estados Unidos enfrentam uma rebelião muçulmana após a morte de Osama bin Laden, segundo uma gravação em vídeo divulgada no YouTube e monitorada nesta quarta-feira.

REUTERS

08 Junho 2011 | 12h37

Zawahri, nascido no Egito, dedicou boa parte da gravação de 28 minutos a falar de Bin Laden, morto em um ataque de forças especiais norte-americanas em sua casa no Paquistão, em maio, depois de uma caçada mundial que levou quase dez anos.

"O xeique partiu, que Deus tenha misericórdia dele, ao encontro de Deus, como mártir, e precisamos seguir em seu caminho da jihad para expulsar os invasores da terra dos muçulmanos e purificá-la da injustiça", disse Zawahri.

"Hoje, graças a Deus, a América não enfrenta um indivíduo ou um grupo, mas uma nação em revolta, uma nação que despertou em um renascimento jihadista e que enfrenta a América onde quer que ela esteja", acrescentou.

Zawahri é visto há muito tempo como o cérebro da Al Qaeda e potencial sucessor de Bin Laden, fundador da Al Qaeda, que lançou os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos. Mas a televisão Al Jazeera já disse que desde a morte de Bin Laden outro militante egípcio, Saif al-Adl, foi nomeado líder interino do grupo.

Zawahri elogiou as revoltas em vários países árabes e exortou os paquistaneses a se rebelarem contra seus "líderes corruptos", "assim como fizeram vossos irmãos na Tunísia, no Egito, Líbia e Síria".

"Joguem para longe a poeira da humilhação e derrubem aqueles que os venderam para os Estados Unidos no mercado de escravos", disse.

Ele condenou os Estados Unidos por terem atirado o corpo de Bin Laden no mar, em vez de lhe garantir um sepultamento apropriado.

"Ele (Bin Laden) aterrorizou a América quando estava vivo e a aterroriza agora, como morto, a tal ponto que eles estremecem diante da perspectiva de lhe dar um túmulo, devido ao que sabem do amor que dezenas de milhões têm por ele."

Zawahri também avisou que Bin Laden vai continuar "a assombrar a América, Israel e seus aliados cruzados, seus agentes corruptos."

"A famosa promessa dele de que 'vocês não poderão sonhar com segurança enquanto nós não a vivermos de fato e enquanto vocês não partirem da terra do islã' vai continuar a privá-los de sono", disse Zawahri.

(Reportagem de Omar Fahmy e Ahmed Tolba)

Mais conteúdo sobre:
BINLADENZAWAHRIGRAVACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.