Zelaya reafirma que voltará a Honduras e pede firmeza a Obama

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, reiterou que pretende voltar ao seu país na quinta-feira, apesar das ameaças de prisão do governo interino, e pediu aos EUA que intensifiquem as sanções contra os que tomaram o poder.

JUANA CASAS, REUTERS

22 Julho 2009 | 08h32

Zelaya não deu detalhes sobre sua volta, planejada para depois do fim do prazo de 72 horas dado no domingo pelo mediador do conflito, o presidente da Costa Rica, Oscar Arias, para pôr fim à crise.

"O momento (do regresso) está aberto a partir de quinta-feira", disse Zelaya na terça-feira a uma rádio de Honduras.

O presidente interino de Honduras, Roberto Micheletti, disse que se Zelaya entrar no país será preso sob acusação de violar a Constituição, entre outras acusações, por tentar realizar um referendo para abrir caminho à sua reeleição.

Zelaya disse ainda que enviou uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pedindo que endureça as medidas contra Honduras.

A carta já foi enviada a Obama "para pedir que aperte suas medidas diretamente contra os que conspiraram nesse golpe e realizaram este golpe", disse.

Zelaya, que tem recebido apoio internacional, foi retirado de sua casa por militares no dia 28 de junho e enviado à Costa Rica.

Desde que a segunda rondada de negociações fracassou no domingo, os Estados Unidos aumentaram a pressão sobre o governo de fato e na terça-feira reiteraram seu apoio à mediação de Arias.

Mais conteúdo sobre:
HONDURAS ZELAYA DUREZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.