Zuanazzi: Denise Abreu não estimulou reação ao governo

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Milton Zuanazzi, defendeu a diretora Denise Abreu da suspeita de ter estimulado as companhias aéreas a reagirem contra as medidas do governo para desafogar o aeroporto de Congonhas. "Ela não falou naquele contexto que foi dito. Em nenhum momento nós teríamos a pretensão de questionar a decisão de um órgão superior do nosso sistema", afirmou Zuanazzi, ao chegar ao Senado para participar de audiência publica na Comissão de Assuntos Econômicos. Reportagem publicada na edição de ontem do jornal O Estado de São Paulo informou que Denise Abreu estimulou as companhias a reagirem às decisões do Conselho de Nacional de Aviação Civil (Conac) durante reunião ocorrida em 26 de julho no Rio de Janeiro. Em nota, a diretora negou que tenha incitado as empresas e disse que sugeriu aos representantes das companhias que apresentassem suas queixas ao Conac, ao ministro da Defesa, Nelson Jobim e até mesmo que recorressem à Justiça se achassem necessário. Zuanazzi apontou um movimento contra a Anac. "Não se coloca com precisão o papel da Anac. Há um conjunto de problemas e se estereotipou como se o problema estivesse na agência. Estamos bastante tranqüilos com o trabalho que estamos fazendo", disse ele.

LUCIANA NUNES LEAL, Agencia Estado

13 de agosto de 2007 | 17h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.