Zuanazzi diz que não se vê pressionado a deixar Anac

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, disse hoje que não se sente pressionado a deixar o cargo na agência reguladora. Questionado sobre o processo de troca de diretores da agência, que esta semana poderá ter seu desfecho, com a indicação de nomes pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, Zuanazzi afirmou que "isso não tem nada a ver comigo". "Quem indica diretores é o presidente da República e é o Senado quem sabatina. Do ponto de vista das relações institucionais não me sinto pressionado por ninguém", disse Zuanazzi, ao deixar uma reunião do Conselho Nacional de Turismo. Ele afirmou ainda que espera que a tranqüilidade nos aeroportos continue nos próximos feriados prolongados porque, segundo ele, desde o dia 23 de junho os problemas nos vôos pararam. "Desde 23 de junho estamos com indicadores muito melhores do que tínhamos antes de 29 de setembro do ano passado - o que significa dizer que o apagão encerrou-se no dia 23 de junho", afirmou Zuanazzi. A data de 29 de setembro de 2006, citada por Zuanazzi, foi quando o Boeing da Gol caiu após chocar-se com o jato Legacy, em Mato Grosso, marcando o início da crise nos aeroportos.

ISABEL SOBRAL, Agencia Estado

04 de setembro de 2007 | 11h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.