Itamaraty ignora visita de Corina

Diplomacia brasileira diz que não comentará declarações de 'autoridade venezuelana' sobre seu país

LISANDRA PARAGUASSU / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2014 | 09h05

O governo brasileiro ignorou a presença da oposicionista venezuelana María Corina Machado no Brasil. Apesar das críticas feitas à falta de uma posição mais dura dos países da região e à mediação da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o Itamaraty informou que não trataria das declarações de uma autoridade venezuelana sobre seu próprio país.

As dificuldades de abrir um canal de negociação com parte da oposição não impedirá a Unasul de seguir na tentativa de uma mediação. O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, deve embarcar ainda esta semana para a Venezuela, juntamente com os chanceleres de Colômbia e Equador, María Ángel Holguín e Ricardo Patiño, para mais uma tentativa de diálogo.

A avaliação do governo brasileiro é a de que Caracas tem o controle da situação e não há mais grandes riscos institucionais. No início da crise, chegou a haver o temor, nos meios diplomáticos, de que Maduro apelasse para um autogolpe - um recado de desaprovação foi passado ao governo venezuelano, alertando que a reação seria a mesma do caso paraguaio, quando o país foi suspenso do Mercosul.

Esse risco, no entanto, não existiria mais, em nenhum dos lados. Diplomatas brasileiros acreditam que a oposição também mudou o discurso.

Ao sair de Caracas, na semana passada, Figueiredo afirmou que os canais estavam abertos e todos os lados mostraram disposição de conversar. Ainda assim, o Itamaraty avalia que a linguagem, de ambos os lados, ainda é muito dura e a troca de acusações dificulta o entendimento. Boa parte da oposição mais radical ainda rejeita a mediação da Unasul.

O governo brasileiro gostaria que Maduro parasse com a prisão de opositores e com táticas pouco diplomáticas, como a cassação do mandato da deputada María Corina, mas evita declarações públicas. Os diplomatas brasileiros comemoraram o fato de o governo venezuelano aceitar a instalação de uma comissão de direitos humanos, que ainda não existia no país, para investigar as mortes ocorridas nos protestos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.