Dissidente recusa oferta do governo cubano para ser internado

Segundo médico, em greve de fome há 14 dias, Fariñas diz que só aceita internação quando cair inconsciente

estadao.com.br,

10 de março de 2010 | 15h48

O dissidente cubano Guillermo Fariñas, em greve de fome em sua residência desde 26 de fevereiro, rejeitou nesta quarta-feira, 10, ser hospitalizado. Ele foi visitado por dois médicos do governo, que recomendaram sua internação.   

Veja também:

linkPrisões desumanas levam a greve de fome

link Perfil: Farinas, um filho da revolução cubana

blog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime cubano 

blogEdmundo Leite: As 'insanidades' de Lula

blogMarcos Guterman: Lula enxovalha sua biografia

Segundo as autoridades sanitárias, Fariñas já perdeu 13 kg e está desidratado. "Fizemos um exame com os médicos do governo e eles propuseram sua internação, mas ele só aceita fazer isso quando cair inconsciente", disse o médico Ismel Iglesias, da oposição, à agência France Presse.

 

Ainda de acordo com Iglesias, Fariñas está em um estado muito delicado. A desidratação está avançada e sua pele está muito seca. O dissidente protesta pela libertação de 26 prisioneiros. 

 

Os médicos do governo não fizeram declarações sobre o estado de saúde de Fariñas, que começou a greve de fome após a morte do dissidente Orlando Zapata, vitimado por um jejum de 85 dias.

Tudo o que sabemos sobre:
Fariñasdissidentegreve de fomeCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.