Forças afegãs dizem estar prontas para garantir segurança das eleições

Taleban já ameaçou realizar ataques durante pleito legislativo, que acontece no próximo sábado

AP,

13 de setembro de 2010 | 20h04

CABUL- As forças de segurança do Afeganistão afirmaram nesta segunda-feira, 13, estarem "completamente preparadas", com o apoio das tropas estrangeiras, para garantir a segurança das eleições legislativas do sábado, apesar da violência e de ameaça do Taleban de interromper o pleito.

 

Veja também:

linkAtaques aéreos matam 14 insurgentes no Afeganistão

 

"De acordo com um plano junto às forças internacionais, as forças de segurança afegãs estão completamente preparadas para assegurar a eleição e os postos de votação, afirmou o palácio do presidente Hamid Karzai em um comunicado.

 

A eleição é considerada uma prova para a estabilidade do país, antes que o governo dos Estados Unidos revise a estratégia da guerra em dezembro para analisar o ritmo e a escala da retirada de seus soldados do país, marcada para começar em julho de 2011.

 

O presidente afegão Hamid Karzai se reuniu hoje com funcionários de segurança locais e internacionais, incluindo o comandante das forças americanas e da OTAN, o general David Petraeus.

 

O governante ordenou as autoridades a usarem "tudo que esteja a seu alcance" para garantir a segurança das eleições, segundo a nota.

 

A violência no Afeganistão está em seu pior momento desde que o Taleban foi derrubado pelas forças afegãs e americanas no fim de 2001, apesar da presença de 150.000 soldados estrangeiros e 30.000 tropas e policiais do país.

 

Os insurgentes classificaram a eleição como "um processo estrangeiro" e ameaçaram atacar todos os soldados, instando os eleitores a não votarem.

 

Na eleição presidencial do ano passado, o grupo extremista não realizou nenhum ataque, mas suas ameaças foram responsáveis pela baixa participação popular em algumas áreas do cinturão tribal Pashtun, no sul e leste do país.

 

Quatro candidatos a deputado já foram assassinados, de acordo com a ONU e funcionários do governo. Outros foram ameaças de morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.