Claudio Cruz/AP
Claudio Cruz/AP

Frei tenta mudar imagem para manter coalizão no poder

Candidato do bloco governista é já foi o presidente do Chile de 1994 a 2000

estadao.com.br,

10 de dezembro de 2009 | 14h39

O ex-presidente chileno Eduardo Frei é a aposta da coalizão de centro-esquerda Concertación, para se manter no poder. Frei tenta voltar ao poder após um primeiro mandato que foi de 1994 a 2000 com uma nova imagem.

 

Tido como um homem rígido e carrancudo, se apresentou na campanha mais casual, sem gravata e com as mangas arregaçadas. O 'Frei 2.0', como ele se autonomeou, brinca mais e tenta parecer mais leve em público.

 

"Reclamam que eu sou sisudo. Não sei se para ser presidente é preciso ser brincalhão", disse Frei em um debate na TV. "Quero ser presidente porque tenho vontade, coragem e valentia".

 

Sua nova imagem, no entanto, não tem ajudado a Concertación. A coalizão perdeu espaços e o candidato da oposição, Sebastián Piñera, lidera as pesquisas.

 

Engenheiro e empresário, Frei é casado e pai de três filhas. Ele busca reeditar sua primeira eleição em 1993, quando obteve 58% dos votos, a maior da história chilena.

 

 

Veja também:

Os perfis dos outros candidatos

link Enriquez-Ominami, a promessa de renovação na política chilena

link 'Berlusconi chileno' é favorito para recolocar direita no poder

 

Contra o candidato, pesa a forma como terminou uma data, com uma recessão causada por uma elevação brusca das taxas de juros. Agora, ele propõe continuar os programas sociais de Bachelet e estendê-los à classe média.

 

Frei também defende uma reforma trabalhista, uma nova constituição e se diz favorável à exploração da energia nuclear e à união civil de homossexuais.

Tudo o que sabemos sobre:
Chileeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.