Israel discute 'respostas' a ingresso do Estado palestino na Unesco

Gabinete ministerial considera ampliar assentamentos e até cortar relacões com AP, diz imprensa

Efe

01 de novembro de 2011 | 08h05

JERUSALÉM - Os oito principais ministros do governo de Israel se reunirão na tarde desta terça-feira, 1º, em Jerusalém para analisar as possíveis respostas ao reconhecimento do Estado palestino na Unesco - o braço de cultura, educação e ciência da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Veja também:

blog PARA ENTENDER: O Estado palestino na Unesco

blog CHACRA: Qual o argumento de EUA e Israel?

tabela HOTSITE: A busca pelo Estado palestino

 

Apesar de não haver garantias de que o encontro acabará com decisões, os ministros estudarão várias propostas de reação, como aumentar a construção nas colônias judaicas nos territórios ocupados de Jerusalém Oriental e Cisjordânia, segundo informou a imprensa local.

 

As autoridades também analisarão a possibilidade de reter as taxas e tarifas que Israel arrecada para enviar à Autoridade Palestina (AP), como estipulam os Acordos de Oslo, ou retirar os passes exclusivos de dirigentes palestinos, que com esses documentos podem cruzar fronteiras e postos militares de controle com mais facilidade.

 

"O que aconteceu na Unesco não é algo sem importância e deve ser tratado com seriedade. Israel pode escolher efetuar uma resposta unilateral própria a esta iniciativa", assinalou uma fonte diplomática à edição digital do diário Yedioth Ahronoth.

 

Outras fontes ligadas ao Executivo davam a entender que a reação se dará na edificação mais casas em assentamentos situados em "lugares que Israel não vê como problemáticos", embora o anúncio receba "críticas internacionais".

 

Neste sentido, o ministro das Relações Exteriores, o conservador Avigdor Lieberman, defendeu no Parlamento a possibilidade de cortar todos os vínculos com as lideranças palestinas. "Minhas recomendações serão muito claras. Temos que avaliar o corte de todos os vínculos com a Autoridade Palestina. Não podemos seguir aceitando medidas unilaterais uma após a outra", disse Lieberman, que participará da reunião ministerial desta tarde.

 

Na manhã desta terça, o chefe negociador palestino, Saeb Erekat, declarou à rádio militar israelense que o governo de Benjamin Netanyahu deveria ter sido o primeiro país a aplaudir a votação na Unesco, já que israelenses e palestinos compartilham uma "terra com história e cultura comuns".

 

Os palestinos se preparam para apresentar também um pedido de ingresso na Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo o ministro da Saúde da AP, Fathi Abu Moghli. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.