Israel violou direitos humanos em ataque à flotilha, diz relatório da ONU

De acordo com a entidade, a reação foi desproporcional e com um grau inaceitável de brutalidade

estadão.com.br,

22 de setembro de 2010 | 17h00

Um relatório divulgado nesta quarta-feira, 22, pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU indica que o ataque do Exército israelense violou leis internacionais de ajuda humanitária ao atacar uma flotilha que ia para a Faixa de Gaza, em maio passado.

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

De acordo com o texto, a reação militar foi desproporcional e com um grau inaceitável de brutalidade. "O ataque utilizou um nível inaceitável de brutalidade, uma conduta que não pode ser justificada com argumentos de segurança", diz o texto.

O conselho adotou no último dia 2 de junho uma resolução para investigar o episódio. Oito ativistas turcos e um turco de nacionalidade americana foram mortos no ataque. Israel diz ter agido em autodefesa e acusa os militantes de tentarem contrabandear armas para militantes palestinos em Gaza.

O ataque ocorreu no dia 31 de maio e deixou nove ativistas turcos mortos. O episódio causou revolta na comunidade internacional, principalmente entre os países islâmicos e árabes, e fez com que as relações entre Turquia e Israel fossem danificadas. O caso também fez com que as atenções fossem voltadas para o bloqueio do Estado judeu ao território palestino, posteriormente revisto.

Israel conduz uma investigação sobre o caso e só permitiu a entrada de estrangeiros na comissão depois de pressões internacionais. A ONU e a Turquia também realizam inspeções. O relatório da ONU será apresentado ao Conselho de Direitos Humanos no dia 27 de setembro.

Leia ainda:

link Abbas pode aceitar retomada de assentamentos

linkPalestinos e israelenses se enfrentam em assentamento

Com informações da Efe e da AP

Tudo o que sabemos sobre:
ONUataque à flotilhaIsraelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.