Mineiros recebem rede elétrica e cigarros

Cabos permitirão instalação de luzes na mina; sistema de ventilação também foi melhorado

estadão.com.br

13 de setembro de 2010 | 12h07

COPIAPÓ - Os 33 mineiros presos em uma jazida no norte do Chile receberam no domingo, 12, fios elétricos que permitirão a instalação de luzes no abrigo da mina onde estão refugiados, informou a rede de notícias CNN.

 

Veja também:

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especialLinha do tempo: os piores acidentes da década

 

O ministro da Saúde, Jaime Manalich, disse que as luzes elétricas na mina ajudarão os mineiros a se adaptarem melhor à luz do sol quando saírem debaixo da terra. Os médicos, porém, dizem que outras precauções especiais deverão ser tomadas.

 

Além disso, as equipes de resgate enviaram pacotes de cigarro. Os mineiros pediam maços desde que foi estabelecido o primeiro contato com eles. A princípio, estão sendo enviados dois pacotes por dia, que devem ser divididos.

 

O fornecimento de cigarros só foi possível com as melhorias feitas no sistema de ventilação da mina. Antes, os mineiros recebiam adesivos de nicotina e gomas de mascar.

 

Os 33 mineiros sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas. As autoridades disseram que os resgates podem durar até quatro meses.

 

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

 

O resgate será feito por três perfuradoras que abrirão caminho no solo. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Tudo o que sabemos sobre:
mineirosChileMinaCopiapó

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.