OEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

Em reunião extraordinária, países membros manifestam apoio ao presidente Rafael Correa

estadão.com.br,

30 de setembro de 2010 | 17h35

WASHINGTON- A Organização de Estados Americanos (OEA) aprovou nesta quinta-feira, 30, uma resolução por unanimidade que respalda "o governo institucional de Rafael Correa" e repudia "qualquer tentativa de alterar a institucionalidade democrática" no Equador.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

 

Em uma reunião extraordinária de seu Conselho Permanente, os representantes dos países membros pediram ao secretário-geral do órgão, José Miguel Insulza, "que brinde toda a cooperação da Organização a solicitação do governo do Equador", após os protestos de policiais e militares registrados no país.

 

Insulza ofereceu nesta quinta-feira, 30, o "pleno apoio do órgão" ao presidente Correa, após ele ter denunciado um golpe de Estado em seu país.

 

O secretário conversou por telefone com Correa, a quem expressou seu pleno apoio "ante os acontecimentos em seu país", afirmou a entidade em um comunicado.

 

A OEA mantém uma reunião de urgência em sua sede em Washington, na qual diferentes países membros manifestaram sua preocupação com os acontecimentos no país, onde militares tomaram quartéis e fecharam aeroportos.

 

A representante equatoriana na OEA, María Isabel Salvador, afirmou que é "inegável" que os fatos em seu país "constituem uma tentativa de alterar a institucionalidade democrática".

 

O "mais preocupante é a inegável vinculação política que existe nesses atos, com a figura de membros que tiveram uma carreira militar e laços permanentes com membros da força policial", afirmou.

 

Correa denunciou uma tentativa de golpe de Estado e disse que su vida corria  perigo, falando do hospital policial de Quito, onde se refugiou após ser agredido con gás lacrimogêneo por militares descontentes com uma lei que corta seus benefícios.

Leia mais:

linkEquador decreta estado de exceção após rebelião de policiais

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Com Efe, AP e AFP

 

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorgolpeRafael CorreaInsulzaOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.