Palestinos querem reconhecimento em outras 16 agências da ONU

Enviado palestino a Genebra diz que adesão à Unesco 'abre portas' para novos ingressos

Associated Press

01 de novembro de 2011 | 08h50

GENEBRA - Depois de conseguir sua adesão à Unesco - o braço das Nações Unidas voltado para a ciência, a cultura e a educação - os palestinos acreditam ter "aberto uma porta" e tentarão ingressar em outras 16 agências do organismo internacional, disse nesta terça-feira, 1º, o enviado palestino a Genebra, Ibrahim Khraishi.

 

Veja também:

blog PARA ENTENDER: O Estado palestino na Unesco

blog CHACRA: Qual o argumento de EUA e Israel?

tabela HOTSITE: A busca pelo Estado palestino

 

Khraishi afirmou que o reconhecimento na Unesco abre um precedente para o palestinos buscarem novos ingressos. A votação, realizada em Paris na segunda-feira, contou 107 votos a favor, 14 contra e 49 abstenções. Brasil, Rússia, China e França se posicionaram de forma favorável, enquanto Estados Unidos e Israel se mostraram contrários à adesão palestina.

 

"Estamos estudando quanto tentaremos o reconhecimento em outras agências. É nosso objetivo nos unirmos a agências internacionais e órgãos da ONU. Nos tornamos membros de uma das maiores e mais importantes agências da ONU. Isso nos abrirá portas para irmos mais longe nesta meta", disse o palestino.

 

Nas próximas semanas, os diplomatas palestinos prometem solicitar a adesão a entidades como a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, a Unctad, a Organização da ONU para o Desenvolvimento Industrial, a Organização Mundial da Saúde e a União Internacional de Telecomunicações, todas em Genebra, além do Tribunal Penal Internacional.

 

Os Estados Unidos, que se opõem à iniciativa palestina de buscar o reconhecimento de seu Estado como membro pleno da ONU, já cortaram parte de sua ajuda financeira à Unesco e prometeram fazer o mesmo com outros órgãos caso os palestinos sejam aceitos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.