TV estatal da Costa do Marfim tem sinal cortado fora de Abidjan

Canal era uma das poucas fontes de informação da população; emissoras estrangeiras foram bloqueadas

AP e Reuters,

23 de dezembro de 2010 | 18h37

Atualizado às 19h39

 

ABIDJAN, COSTA DO MARFIM- A TV estatal da Costa do Marfim foi tirada do ar fora da cidade de Abidjan, a principal do país, que está em crise política após as últimas eleições presidenciais.

 

Veja também:

linkONU diz que protestos pós-eleitorais já mataram 173 na Costa do Marfim

 

O canal é uma das poucas fontes de informação para a população do país desde que os canais e emissoras de rádio estrangeiras foram bloqueadas há três semanas.

 

Alassane Ouattara, reconhecido pela comunidade internacional como vencedor do último pleito, realizou uma marcha na semana passada para retomar a TV estatal, mas soldados leais a Laurent Gbagbo, presidente que continua no poder, abriram fogo contra os manifestantes.

 

Potências mundiais e países africanos apoiam o rival de Gbagbo nas eleições, no impasse que se instalou desde a eleição de 28 de novembro e ameaça deflagrar uma nova guerra civil no país do oeste da África.

 

Gbagbo, porém, não deu sinais de ceder à pressão e insiste ter vencido a eleição depois de a Corte Constitucional, liderada por um de seus aliados, ter excluído centenas de milhares de votos oriundos de distritos eleitorais pró-Ouattara.

 

Os EUA e a União Europeia impuseram sanções de viagem a Gbagbo e a seu círculo mais próximo, e na quarta-feira o Banco Mundial congelou o financiamento ao país, com o qual tem compromissos de ajuda de mais de 800 milhões de dólares.

 

Ministros do banco central da União Monetária do Oeste Africano deveriam se reunir em Guiné Bissau na quinta-feira a fim de debater o caso do país, em meio a especulações de que a união também poderá congelar o financiamento à Costa do Marfim - iniciativa que debilitaria a capacidade de Gbagbo de pagar os salários do funcionalismo, incluindo dos soldados.

 

O jornal marfinense dirigido pelo Estado afirmou hoje que a assinatura de Gbagbo ainda era reconhecida pelo Banco Central e que os salários do funcionalismo seriam pagos este mês.

 

"Desde ontem, os salários dos funcionários e agentes do Estado da Costa do Marfim vêm sendo transferidos para diferentes bancos. Os salários dos funcionários públicos civis não estão ameaçados", disse o ministro das Finanças de Gbagbo, segundo o jornal.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do MarfimTV estatal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.