Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

PSD formaliza bancada do partido na Câmara dos Deputados

Com base no número de deputados federais, o partido vai protocolar ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para reivindicar recursos do fundo partidário e tempo do horário eleitoral gratuito

Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2011 | 19h56

BRASÍLIA - Pregando independência do governo federal, a cúpula do PSD formalizou nesta quarta-feira, 26, a bancada do partido na Câmara. É com base no número de deputados federais que o partido protocola ação, daqui a duas semanas, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para reivindicar recursos do fundo partidário e tempo do horário eleitoral gratuito de televisão e rádio para as eleições de 2012. O PSD espera receber cerca de R$ 20 milhões, em 2012, do fundo partidário.

No início da noite desta quarta-feira, a informação oficial da Câmara era que a nova legenda nasce com 50 deputados. No site do PSD, no entanto, 55 deputados federais aparecem como os mais novos integrantes da sigla. O partido teria sofrido pelo menos uma baixa com a desfiliação de Berinho Bantim (PSDB-RR), que foi convencido pelo presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), a permanecer no ninho tucano.

"Estou indo atrás para checar essa informação. Parece que ele saiu sim", admitiu o líder do PSD, deputado Guilherme Campos (SP). O PP do senador Francisco Dornelles (RJ) também garante ter perdido três deputados para o partido do prefeito Gilberto Kassab e não cinco, conforme foi contabilizado. Sete secretários se licenciaram de seus cargos para assumir temporariamente suas vagas na Câmara e, dessa forma, o PSD se credenciar para ter a terceira maior bancada da Casa.

A festa do oficialização da bancada federal do PSD contou com a presença de lideranças de quase todos os partidos. Um dos mais entusiasmados foi o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Aliado de primeira hora de Kassab, o socialista deixou claro que o PSD será parceiro preferencial nas eleições municipais de 2012. "PSB e PSD vão estar juntos em muitos municípios em 2012", disse o governador. "O PSD não vem para se alinhar automaticamente ao governo e sim para apoiar a causa da erradicação da pobreza", emendou o presidente nacional do PT, Rui Falcão. A cúpula do DEM, legenda dizimada pelo assédio do PSD, não apareceu no evento.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
PSDbancadaCâmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.