Sabores, causos e temperos virtuais

Compartilhar receitas, dar dicas de endereços preciosos e prosear com o leitor são objetivos desses três blogueiros, apaixonados pela boa culinária

O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2010 | 16h00

Prático. Alessander Guerra ensina truques para os novatos. Foto: Felipe Rau/AE

 

 

 

Neide Rigo, do blog Come-se, com cerca de 2 mil visitas/dia, não desperdiça nada quando se trata de cozinhar (nada mesmo, pois até dente de leão, aquele matinho simpático, acaba na panela). E, de certa forma, não desperdiçou o que aprendeu nos dois anos de Jornalismo, e mais outros dois de Artes Plásticas, faculdades que deixou pelo caminho quando se decidiu pela Nutrição. No final das contas, seus "causos" bem escritos fisgam o leitor, como a crônica da morte anunciada do pé de chuchu ("Chuchuzinhocídio") que enfeitava a escada de sua casa. Por sua vez, as fotos de natureza flertam com as artes plásticas.

 

Finalmente, as receitas revelam seu lado de nutricionista curiosa e xereta, mais interessada em desvendar os usos de frutas, legumes e peixes "exóticos" do que dissecar as calorias e vitaminas dos alimentos. Casada, mãe de uma jovem, Neide aprendeu muito do que sabe com o seu pai - "um mateiro de mão cheia" - que tem um sítio em Fartura, interior de São Paulo.

 

"Comecei o blog oficialmente em 2007. Antes, já tinha o costume de pesquisar, experimentar e testar receitas, mas não anotava nada. Como a minha cozinha é intuitiva, quando queria repetir uma receita, não me lembrava mais dela. O blog foi uma forma que encontrei de me organizar", conta

 

Quem entrar no Come-se, segundo Neide, vai encontrar sugestões para uma alimentação saudável e prazerosa. "Trazemos muita coisa embalada para casa e, assim, vamos perdendo o contato com a origem do alimento, seu cultivo e as possibilidades de aproveitá-lo." No seu mercadinho virtual, encontra-se jacatupé, bananas pacovã, cará-do-ar, berbigão, mangarito, bilimbi, araçá-boi e outros sortimentos que muitos urbanóides nunca ouviram falar. A blogueira explica do que se trata, dá a receita e fornece o endereço de cooperativas e mercados onde os itens exóticos podem ser encontrados.

 

 

Boa de papo. Neide Rigo fisga o leitor pela prosa. Foto: Marcelo Liso/AE

 

 

 

Nesses três anos, a interatividade com os leitores tem rendido boas amizades, excursões gastronômicas (da Toscana a São Miguel Paulista) e histórias bonitas, como as sementes do mamão caipira que um leitor lhe pediu e depois mandou a foto do pé carregado. Ou das sementes de cruá, fruta da família das abóboras e melões, que ela despachou de Sampa para Palmerina, Pernambuco, pois, há 30 anos, não se via mais por lá. "O caso mais divertido? É fácil. Estive em Portugal e conheci a dona de uma banca de peixes no Mercado da Ribeira. E não é que ela me escreveu dizendo que ia dar desconto para os leitores portugueses do blog! É só passar na banca 17 de Fernanda Maia!"

 

Formiguinha. Se você é louca por chocolates e doces em geral, o blog Chocolatria, de Simone Izumi (casada e mãe de uma garotinha de 3 anos que já manuseia o fouet), é o endereço certo. Formada em Arquitetura, chegou a trabalhar três anos com o irmão, também arquiteto. Nos fins de semana, ela fazia trufas que eram vendidas no restaurante de uma tia. Por fim, trocou a prancheta pelo fouet, assim que se casou. "Decidi descer do muro e assumir aquilo que realmente me fazia feliz. Docinhos de chocolate! O que foi motivo de crítica para alguns na época, hoje serve como inspiração para outros que desejam mudar de ramo e iniciar um negócio próprio."

 

Em 2004, Simone abriu a Divas Chocolates, voltada para o mercado de eventos sociais e corporativos. O blog veio em 2007, com a proposta de compartilhar receitas e interagir com leitores interessados. São mais de 280 receitas tentadoras com fotos bem produzidas. "Inicialmente, eram adaptações de receitas de outras fontes. Com o passar do tempo, resolvi arregaçar as mangas, cutucar os neurônios e encarar o blog como uma ferramenta de estudo e treino, criando algumas de própria autoria."

 

Viajar e conhecer endereços gastronômicos é outra paixão da blogueira, que fotografa paisagens, confeitarias e lojas. "Felizmente, já comi muita gostosura mundo afora e acredito que seria injusto de minha parte indicar apenas uma guloseima. Em relação a chocolates, adorei Bruxelas, que é o antro da perdição para qualquer chocólatra."

 

Menciona também a confeitaria da Fauchon e os macarons de Pierre Hermé e Ladurée, em Paris; os maravilhosos gelatos e cantuccinis da região da Toscana; o delicioso tire d’èrable (pirulito de maple syrup, xarope de bordo ou acér, típico da região de Quebéc) e o sorvete de moti (à base de arroz) de uma pequena sorveteria no Japão.

 

 

Chocólatra. O doce é a paixão de Simone Izumi. Foto: Divas/Divulgação

 

 

 

No ano passado, graças ao blog (com uma média de 50 mil visitas/mês), Simone recebeu o convite para desenvolver os produtos do primeiro Café Hello Kitty das Américas, como pães de mel, bombons recheados com ganaches variadas, cupcakes, brownies, bombons e cookies inspirados na personagem. Lançar um livro faz parte de sua lista de desejos. "Por ora, estou animada com o projeto de dar aulas práticas de chocolate. As primeiras turmas estão sendo formadas e a estreia será em setembro", anuncia ela.

 

Cozinha prática. Quem, hoje em dia, consegue ficar com a barriga no fogão reduzindo um caldo por horas? Ninguém, muito menos o dono do blog Cuecas na Cozinha, o administrador de empresas Alessander Guerra, casado. Há dez anos, quando começou a se interessar pelo universo das caçarolas, ele quase desistiu, tamanha a complexidade das receitas dos poucos cursos disponíveis na cidade.

 

"As aulas eram dadas por chefs em gourmet stores, como a Spicy, mas as receitas, complicadas, eram as mesmas preparadas nos restaurantes com ingredientes difíceis de serem encontrados", conta. Teimoso, foi em frente, até que aprendeu os macetes com o chef de um restaurante italiano, ganhando confiança para fazer o que mais gosta, ou seja, reunir os amigos em casa em torno de uma boa mesa.

 

Quem visitar o Cuecas não vai encontrar tratados sociológicos tampouco receitas com pretensão de alta gastronomia. "A proposta é incentivar aqueles que morrem de medo do fogão e compartilhar minhas experiências culinárias, dando pratos práticos porém bem elaborados." Com humor, destrincha o passo a passo de massas, pratos com arroz, pães, bolos, fondues, bacalhaus, saladas e doces variados, incentivando as pessoas a darem seu toque pessoal. A média de visitas no blog é de 30 mil/dia, mais 5 mil seguidores nas redes sociais (Facebook, Twitter, Orkut).

 

No ano passado, lançou o livro Escola de Maridos & Afins, no qual compara a cozinha a uma autoescola. "Só mesmo praticando para aprender." Dividido em duas partes, o livro ensina truques para que a mulher convença seu parceiro a cozinhar. E dá dicas práticas para equipar o ambiente, abastecer a despensa e apresentar os pratos de formas diferentes. Também oferece receitas organizadas em dois gêneros: pratos para curtir a dois e pratos para dividir com os amigos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.