A conversa que virou briga de rua

Desconfie do governo que diz que a solução para o país é destruir o outro lado, seja de esquerda ou de direita

exclusivo para assinantes
Foto do autor: João Gabriel de Lima

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

ver mais

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: João Gabriel de Lima

A conversa que virou briga de rua

Desconfie do governo que diz que a solução para o país é destruir o outro lado, seja de esquerda ou de direita

exclusivo para assinantes

Coluna

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: João Gabriel de Lima

A conversa que virou briga de rua

Desconfie do governo que diz que a solução para o país é destruir o outro lado, seja de esquerda ou de direita

exclusivo para assinantes

Por que não conseguimos mais conversar sobre nosso país? Em que momento o debate político desandou em briga de rua? Essas perguntas provocativas conduzem O Diálogo Possível, oitavo livro do ensaísta Francisco Bosco. Dado que nenhum problema complexo tem solução simples, são múltiplas as respostas para as questões levantadas na obra.

“Vivemos uma época em que, mais que discutir assuntos seriamente, queremos pertencer a uma tribo política”, diz Bosco, entrevistado no minipodcast da semana. “As pessoas preferem lacrar a debater. É mais fácil. É só compartilhar os memes certos e os autores certos, mesmo que as citações sejam mentirosas.”

Na era das redes – “com as quais conviveremos ainda por muito tempo”, segundo Bosco – os significados das diversas posições políticas se perderam. Dependendo de quem usa as palavras, “liberal” ou “socialista” podem virar xingamentos – quando, na verdade, são apenas maneiras diferentes de promover inclusão social.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Os brasileiros, segundo o autor, também perderam conexão com manifestações culturais que nos faziam sentir orgulho do País. Numa nação cuja história se alicerça em racismo e exclusão, a música popular e a seleção de futebol nos trazem a imagem do Brasil que gostaríamos de ser – mais multicultural e justo.

Desapareceu também a unanimidade em relação à grande conquista recente dos brasileiros: a democracia. Há dez anos era impensável que uma parcela da população defendesse abertamente governos autoritários. Hoje convivemos com saudosistas da ditadura.

O que fazer? Promover uma discussão serena e lastreada em fatos pode ser um começo. Depreende-se também do livro que recuperar o significado das posições políticas, além de algum orgulho da brasilidade, podem nos colocar no caminho de um debate mais maduro.

Palácio do Planalto, em Brasília; recuperar o significado das posições políticas pode nos colocar no caminho de um debate mais maduro, aponta o livro
Palácio do Planalto, em Brasília; recuperar o significado das posições políticas pode nos colocar no caminho de um debate mais maduro, aponta o livro  Foto: Marcello Camargo/Agência Brasil

O Diálogo Possível, por fim, toca num ponto fundamental. Quando um governo de esquerda incorpora ideias de direita, ou vice-versa, os resultados para o país costumam ser melhores. Quando tal acontece, é porque as políticas públicas são fruto de um debate, e não da aniquilação de um lado por parte do outro.

Isso ocorreu entre nós recentemente, quando uma combinação entre responsabilidade fiscal e políticas de inclusão social fizeram com que o país desse um salto. Construiu-se, a partir de algum diálogo, ainda que precário, uma visão de Brasil.

Desconfie de um governo que diz que a solução para o país é destruir outro lado, seja ele de direita ou de esquerda. Governantes que confundem política com aniquilação não destroem apenas os oponentes. Acabam por destruir a própria democracia – e, de quebra, o país.

Para saber mais

Mini-podcast com Francisco Bosco

Link para o livro O Diálogo Possível

Encontrou algum erro?Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade