As leis avançam contra a mentira

Uma brigada jurídica para combater as fake news é essencial em ano eleitoral

exclusivo para assinantes
Foto do autor: João Gabriel de Lima

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

ver mais

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: João Gabriel de Lima

As leis avançam contra a mentira

Uma brigada jurídica para combater as fake news é essencial em ano eleitoral

exclusivo para assinantes

Coluna

João Gabriel de Lima

Escritor, professor da Faap e doutorando em Ciência Política na Universidade de Lisboa

Veja mais sobre quem faz

Foto do autor: João Gabriel de Lima

As leis avançam contra a mentira

Uma brigada jurídica para combater as fake news é essencial em ano eleitoral

exclusivo para assinantes

Continua após a publicidade

Uma pesquisa mostrou que a média de QI vem caindo na França. O grupo extremista português O Bom Europeu usou essa notícia real para cunhar uma fake news racista, xenófoba e ultrajante: a média estaria sendo puxada para baixo por imigrantes africanos. Segundo o sociólogo político Gabriel Guimarães, estudioso do fenômeno, O Bom Europeu se inspira em Jared Taylor, guru da extrema direita americana. Banido do Facebook, o grupo foi parar no Telegram – que, no Velho Continente, tornou-se latrina de fake news e discursos de ódio.

Como lidar juridicamente com os que espalham mentiras nas redes sociais? A era digital criou desafios para o mundo do Direito, e alguns desses desafios serão discutidos no Fórum Jurídico de Lisboa, que começa na segunda-feira 27. “É preciso enfrentar essas questões e, ao mesmo tempo, manter a liberdade e a vitalidade da internet”, diz o ministro Gilmar Mendes, um dos participantes do fórum. Ele é o entrevistado no minipodcast da semana.

'É preciso enfrentar essas questões e, ao mesmo tempo, manter a liberdade e a vitalidade da internet', diz o ministro Gilmar Mendes, um dos participantes do fórum.
'É preciso enfrentar essas questões e, ao mesmo tempo, manter a liberdade e a vitalidade da internet', diz o ministro Gilmar Mendes, um dos participantes do fórum. Foto: Nelson Jr./STF

Continua após a publicidade

O debate sobre o direito digital vem avançando na Europa, puxado pela Alemanha, país onde as plataformas digitais já são responsabilizadas pelos conteúdos que publicam. Na área da desinformação, infelizmente, o Brasil ainda está bastante atrasado. O Marco Civil aprovado em 2014 ficou obsoleto diante da evolução tecnológica.

“No Brasil, a plataforma digital só é responsabilizada após descumprimento de decisão judicial – e a Justiça, como sabemos, é lenta”, diz Ricardo Campos, professor da Universidade Goethe, de Frankfurt, e um dos maiores especialistas brasileiros na área. “A lei alemã (NetzDG) e o novo regulamento europeu Digital Services Act (DSA) preveem mecanismos mais modernos e eficientes para o combate de discurso de ódio e fake news.”

Os desafios do Direito na era digital se estendem também à proteção de dados, de maneira, por exemplo, a evitar a discriminação dos cidadãos. Ricardo Campos cita um caso hipotético em que convênios médicos rejeitariam pacientes ao ter acesso indiscriminado a seus prontuários – que são informações privadas. Nesta área, felizmente, o Brasil está mais avançado. O regulamento europeu que entrou em vigor em 2018 inspirou fortemente a lei brasileira de 2019.

A programação do Fórum Jurídico de Lisboa terá vários brasileiros, incluindo cinco integrantes do Supremo Tribunal Federal. Além de Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski, André Mendonça e Alexandre de Moraes. Que das discussões resulte uma brigada jurídica para combater as fake news – essencial para que, em ano eleitoral, os brasileiros decidam com base em informações e não em mentiras.

Para saber mais

O regulamento europeu contra as fake news

Entrevistas de Ricardo Campos sobre remuneração de conteúdo

Checagem da fake news de “O Bom Europeu”, feita pelo jornal português “O Observador”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade