Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Deltan pede ao STF que acusações de Tacla Duran contra a Lava Jato retornem à Justiça Federal de Curitiba

Deputado, ex-chefe da força-tarefa do MPF e, ao lado do ex-juiz Sérgio Moro, alvo de denúncias do advogado, sustenta que foro privilegiado não se aplica ao caso e afasta atribuição do STF

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Atualização:
O ex-procurador da República Deltan Dallagnol nega acusações e diz que versão de advogado é fantasiosa'. Foto: Felipe Rau / Estadão

A defesa do deputado Deltan Dallagnol (Podemos-PR) tenta transferir de volta para a Justiça Federal de Curitiba a denúncia do advogado Rodrigo Tacla Duran. Ele alega ter sofrido extorsão na Operação Lava Jato em troca de facilidades para clientes em acordos de colaboração.

PUBLICIDADE

Em manifestação enviada nesta segunda-feira, 3, ao Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do deputado afirma que a Corte não tem atribuição para processar e eventualmente julgar o caso.

O argumento é que a acusação não tem relação com o mandato parlamentar e, por isso, não há incidência do foro por prerrogativa de função.

"Quer seja pela cogitada extorsão ou pelo tráfico de influência, o suposto ilícito que ele denunciou não ocorreu no exercício do mandato parlamentar do peticionário, mas sim enquanto ele exercia suas atividades de procurador da República, o que revela a insubsistência e a carência de respaldo jurídico da decisão tomada na instância originária", diz um trecho da manifestação.

"Não sendo competência do STF a análise de crimes praticados por procurador da República, não se justifica a permanência desta ação na referida Corte", seguem os advogados.

Publicidade

O STF já decidiu que o foro privilegiado é 'excepcional' e só vale para suspeitas de crimes cometidos no exercício do cargo e relacionados ao mandato.

O pedido foi enviado com a tarja de 'urgente' pelos advogados de Dallangol. Os autos estão no gabinete do ministro Ricardo Lewandowski, que na semana passada abriu prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR) dizer se vê elementos que justifiquem a abertura de um inquérito.

Também na semana passada, Lewandowski anunciou que vai antecipar da aposentadoria, prevista inicialmente para maio. A saída foi marcada para o dia 11 de abril. Se não houver uma decisão do ministro sobre o declínio de competência antes disso, o processo deve ficar no acervo que será herdado pelo seu sucessor. O nome será indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A notícia-crime foi encaminhada ao STF por iniciativa do juiz Eduardo Appio, da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba. O despacho classifica como 'certa' a 'competência exclusiva' do Supremo para analisar a denúncia. Appio também pediu uma investigação urgente na superintendência da Polícia Federal no Paraná.

Ex-coordenador da força-tarefa de Curitiba, Deltan Dallangol nega as acusações. A defesa afirma que a denúncia do advogado é 'fantasiosa' e que ele não apresentou provas 'concretas' para corroborar a versão.

Publicidade

A denúncia implica ainda o senador Sérgio Moro (União-PR), que conduziu os inquéritos e ações penais da Lava Jato no auge da operação. Ele também nega irregularidades e fala em 'uso político de calúnias feitas por criminoso confesso e destituído de credibilidade'.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.