PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Eduardo Cunha repartiu caixa 2 de R$ 6 mi com Henrique Eduardo Alves e governador do Tocantins, afirmam delatores

Ex-presidente da Câmara, condenado a 15 anos de prisão na Lava Jato, exigiu valores ilícitos da Odebrecht em 2014, segundo executivos da empreiteira relataram ao Ministério Público Federal

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Vassallo

Eduardo Cunha fez exames no IML, após ser preso na Lava Jato. Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters

O ex-deputado federal Eduardo Cunha, condenado a 15 anos e 4 meses de prisão no âmbito da Lava Jato, pediu R$ 7 milhões em caixa dois para a Odebrecht, que foram divididos entre as campanhas dele, de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) ao governo do Rio Grande do Norte e do governador Marcelo Miranda (PMDB-TO), em 2014, relataram delatores ao Ministério Público Federal.

PUBLICIDADE

O ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis afirmou que Eduardo Cunha 'apresentava aos diretores da Odebrecht uma série de candidatos' a ser financiada pela construtora. "Ele fazia essa introdução e deixava depois os candidatos conversando conosco".

"Uma vez, nos pediu um apoio para a campanha a um cabo eleitoral em Itaboraí (região metropolitana do Rio). O prefeito de Itaboraí era da base de apoio dele. Pediu R$ 300 mil. Nós doamos. Tive percepção de que aquele dinheiro era para outros. Nunca entrei no mérito", afirmou.

Nas eleições de 2014, segundo relatou Fernando Reis, Cunha pediu R$ 6 milhões. Do total, R$ 2 milhões seriam destinados à campanha do então presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ao governo do Rio Grande do Norte, e R$ 1 milhão ao então candidato ao governo do Tocantins Marcelo Miranda (PMDB).

O delator afirmou que Eduardo Cunha havia pedido doações aos diversos presidentes das empresas do Grupo Odebrecht. "No meu caso, um valor de R$ 6 milhões. Não foi regateado. Ele não pediu mais. Foi uma conversa bastante harmônica".

Publicidade

As investigações a respeito dos repasses da Odebrecht a pedido de Cunha para Henrique Alves estão sob sigilo, por determinação do relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin. O motivo para o sigilo dessas delações se justifica, segundo o ministro do STF, pelo fato de já existir investigação aberta pela Procuradoria da República do Rio Grande do Norte sobre o peemedebista.

Os depoimentos dos delatores da Odebrecht foram enviados ao Ministério Público Federal naquele Estado.

No caso do Tocantins, o ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis relata que houve uma convergência de interesses regionais com um acordo feito entre ele e Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "Porque na estratégia de financiamento de campanha sugerida por Eduardo Cunha, ele queria que a gente ajudasse o Marcelo Miranda no Tocantins com apoio de R$ 1 milhão. Da mesma forma, ele tinha contato com o Mário Amaro (Executivo da Odebrecht Ambiental em Tocantins). Miranda procurou Mário já informado do compromisso do Eduardo Cunha com a Odebrecht".

O executivo da Odebrecht em Tocantins, Mário Amaro, relatou ter se reunido com Marcelo Miranda na casa do então candidato a governador pelo PMDB. O encontro também teria tido presença do assessor Hebert Brito, supostamente encarregado de receber o valor de R$ 1 milhão em espécie, do 'departamento de propinas' da construtora.

"Marcelo se elegeu. A intenção era atender pedido de Eduardo Cunha. Pra mim entra aspecto da política de boa vizinhança", afirma Amaro.

Publicidade

Tocantins. O histórico da Odebrecht no Tocantins envolve a compra, em 2012, pela construtora, da Companhia de Saneamento (Saneatins), que prestava serviços ao Estado, por R$ 400 milhões. De acordo com os executivos, assim que assumiu o fornecimento de água dos 47 municípios da região, a empreiteira planejou investimentos de R$ 700 milhões.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

"Desde a campanha municipal de 2012, a Saneatins viu-se sujeita a ameaça de cancelamento de contratos municipais, como aconteceu na capital Palmas, em que o prefeito Carlos Enrique Franco Amastha, logo após a sua posse, em 2013, criou um quadro de artificiosa caducidade, a Saneatins viu-se sujeita a CPIs estaduais com o objetivo de revistar os atos desde a privatização da Companhia em 2011, entre outras ameaças", afirma Reis.

A questão teria se resolvido após o a insurgência da classe política local contra a atitude do então Prefeito, segundo relataram os delatores.

A fim de evitar o que chama de 'achaque' da classe política sobre os contratos da Odebrecht Ambiental na área de saneamento e de garantir tratamento privilegiado, o ex-presidente da companhia Fernando Reis relatou ao Ministério Público Federal ter financiado candidatos com chances de vencer em municípios e estados - inclusive os adversários. Dessa forma, em 2014, a Odebrecht alega ter pago caixa dois tanto à campanha de Sandoval Cardoso (PSD) - R$ 4 milhões - quanto à de Mário Miranda (PMDB).

COM A PALAVRA, EDUARDO CUNHA

Publicidade

A reportagem entrou em contato com a defesa de Eduardo Cunha, mas não obteve resposta. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, MARCELO MIRANDA

A reportagem entrou em contato com o governo do Tocantins, mas não obteve resposta. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, HEBERT BRITO

A reportagem entrou em contato com o governo do Tocantins, mas não obteve resposta. O espaço está aberto para manifestação.

Publicidade

COM A PALAVRA, SANDOVAL CARDOSO

A reportagem entrou em contato com o Solidariedade, partido de Sandoval Cardoso, mas não obteve resposta. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.