PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Erika Hilton pede que Ministério Público de São Paulo investigue 'negligência' no caso do jovem obeso que morreu à espera de atendimento 

Deputada eleita cobra inquérito para apurar responsabilidade da Secretaria de Saúde do Estado na morte de Vitor Augusto Marcos de Oliveira

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Vitor Augusto Marcos de Oliveira morreu na porta do Hospital Geral de Taipas. Foto: Reprodução/Redes sociais

A deputada eleita Erika Hilton (PSOL-SP) pediu neste sábado, 7, ao Ministério Público de São Paulo (MP-SP) que investigue a morte de Vitor Augusto Marcos de Oliveira.

PUBLICIDADE

Dois hospitais se recusaram a atender o jovem de 25 anos, que pesava cerca de 190 quilos, por falta de equipamentos adequados para pacientes com obesidade. Ele morreu enquanto aguardava atendimento em uma terceira unidade de saúde, o Hospital Geral de Taipas, na zona norte de São Paulo.

O pedido de Erika Hilton é para que a Promotoria de Justiça do Grupo Especial de Saúde Pública do MP-SP abra um inquérito para apurar as responsabilidades administrativa, civil e criminal pela morte do jovem.

A representação afirma que Vitor foi vítima de negligência médica. "Sendo premente a apuração da responsabilidade estatal no caso concreto, pois Vitor Augusto poderia estar vivo e ter seus direitos atendidos se não houvesse a negligência acerca dos instrumentos para o seu atendimento", diz um trecho do pedido.

Publicidade

A deputada eleita, que está no fim do mandato como vereadora em São Paulo, também pede que o Ministério Público apure se a Secretaria de Saúde do Estado está "promovendo a adequação necessária dos equipamentos de saúde para atendimento emergencial de pessoas obesas".

COM A PALAVRA, A SECRETARIA DE SAÚDE DE SÃO PAULO

"A atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde (SES) lamenta profundamente o falecimento do paciente Vitor Augusto Marcos de Oliveira e informa que já instaurou uma sindicância para investigar o caso de forma rigorosa. Diante de quaisquer irregularidades os responsáveis serão penalizados com todas as medidas cabíveis.

A pasta se solidariza com a família e dará todo suporte necessário.

A atual gestão trabalha para ampliar o atendimento a pacientes com comorbidades, incluindo obesos, e está à disposição do MP para quaisquer esclarecimentos."

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.