PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Moro diz que pediu lei para garantir pensão à sua família se fosse assassinado pelo crime organizado

O ex-ministro diz que a ‘concessão dependeria de lei nova, e teve presente o fato da perda de 22 anos de contribuição previdenciária durante o exercício da magistratura’

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Vassallo
Foto do author Fausto Macedo
Atualização:

O ex-juiz Sérgio Moro foi declarado suspeito pelo STF no processo do triplex que levou Lula à prisão. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou ao Estado que a 'pensão' mencionada quando concedeu sua entrevista coletiva de despedida da pasta foi um pedido feito quando recebeu convite para o cargo, para que, caso fosse assassinado pelo crime organizado, sua família 'não ficasse desamparada'.

PUBLICIDADE

Na entrevista desta sexta, 24, Moro afirmou. "Pedi apenas que, já que nós íamos ser firmes contra a criminalidade, especialmente a criminalidade organizada, que é muito poderosa, que se algo me acontecesse, pedi que a minha família não ficasse desamparada sem uma pensão. Foi a única condição que eu coloquei para assumir essa posição específica no Ministério da Justiça".

A menção foi criticada por oposicionistas. O deputado federal Rui Falcão (PT) pediu que a fala do ministro fosse investigada pela Procuradoria-Geral da República.

Ao Estado, Moro afirmou que foi 'uma solicitação genérica de pensão' para sua família 'caso fosse assassinado no combate ao crime organizado'.

O ex-ministro diz que a 'concessão dependeria de lei nova, e teve presente o fato da perda de 22 anos de contribuição previdenciária durante o exercício da magistratura'.

Publicidade

"Ainda que seria, como Ministro da Justiça, duro como nunca contra organizações criminosas". O pedido foi feito, segundo Moro, quando foi oferecido a ele o ministério.

O Estado entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, que não se manifestou sobre se a pensão está prevista no orçamento da pasta. A assessoria do governo Jair Bolsonaro também não comentou se levou à diante o pedido de Moro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.