PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Sócios da Avianca são presos em nova fase da Lava Jato que investiga irregularidades na Transpetro

Irmãos Germán e José Efromovich são suspeitos pagar propinas de R$40 milhões em troca de favorecimento em contratos com a subsidiária da Petrobrás; companhia aérea não é investigada

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Fausto Macedo

Agentes estão cumprindo mandados de prisão e busca e apreensão. Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal, em cooperação com o Ministério Público Federal, deflagrou na manhã desta quarta-feira, 19, a Operação Navegar é Preciso, fase 72 da Lava Jato para combater suposta fraude em licitação da Transpetro, subsidiária da Petrobrás responsável pelo transporte de combustível e pela importação e exportação de petróleo e derivados, para compra e venda de navios.

PUBLICIDADE

Os agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão em Alagoas, São Paulo, Niterói e Rio de Janeiro e dois de prisão na capital paulista, todos expedidos pela 13ª Vara Federal em Curitiba.

Os alvos das ordens de prisão são os irmãos Germán e José Efromovich, donos do estaleiro Eisa - Estaleiro Ilha S.A e acionistas da Avianca Holdings, que não é investigada. A Lava Jato pediu a detenção preventiva dos empresários, mas por causa da pandemia a Justiça decretou regime domiciliar. Além disso, eles tiveram bens e valores bloqueados na ordem deR$651 milhões.

Publicidade

Germán e José Efromovich. Fotos: CARLOS VERA/REUTERS/29/03/2016 e HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO/15/06/2012 

A suspeita é que os Efromovich tenham pago R$40 milhões em propinas ao ex-presidente da estatal, Sérgio Machado, em troca de um contrato de R$ 857 milhões para fornecer os navios firmado no âmbito do Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef). O prejuízo com a contratação, classificado pela PF como 'assombroso', é estimado em cerca de R$ 611 milhões.

"Verificaram-se evidências de que o favorecimento da Transpetro em relação ao estaleiro teria ocorrido também no decorrer da execução do contrato, exemplo disso seriam as sucessivas prorrogações nos prazos para a entrega dos navios e aditivos contratuais que muito beneficiaram a empresa contratada", informou a Polícia Federal.

Operação Navegar é Preciso é fase 72 da Lava Jato. Foto: Polícia Federal

De acordo com os investigadores, as propinas teriam sido depositadas entre os anos de 2009 e 2013 por meio de transferências em contas bancárias mantidas pelo filho de Sérgio Machado, Expedito, na Suíça. Na tentativa de disfarçar os pagamentos, empresas ligadas ao estaleiro e ao executivo teriam firmado contratos falsos de empréstimo e investimento.

Para os agentes, uma série de medidas de engenharia societária, confusão entre personalidades jurídicas e físicas dos investigados e das suas empresas, bem como de confusão gerencial dos alvos relacionados ao estaleiro na administração das empresas do grupo são indícios de lavagem de dinheiro, ocultação e blindagem do patrimônio.

COM A PALAVRA, GERMÁN EFROMOVICHApós tomar conhecimento da operação, o empresário concedeu entrevista coletiva à imprensa, em que negou ter pago propinas em troca dos contratos.

Publicidade

"Nós ganhamos aquele contrato em uma licitação. Inclusive tem uma ação contra a Transpetro, porque não cumpriram o contrato. Eu vi a delação premiada do senhor Sérgio Machado, há uns anos atrás, onde diz que o único que não dá dinheiro para político é o Germán Efromovich. Eu nunca dei dinheiro em troca de contrato para político nenhum, nem para executivo da Transpetro. Aliás, minhas contas são transparentes, podem olhar tudo", disse.

PUBLICIDADE

COM A PALAVRA, JOSÉ EFROMOVICH A reportagem busca contato com a defesa do empresário José Edromovich. O espaço está aberto para manifestações (rayssa.motta@estadao.com)

COM A PALAVRA, A PETROBRÁS "Petrobras e Transpetro são reconhecidas pelo próprio Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal como vítimas dos crimes desvendados. A Petrobras vem colaborando com as investigações desde 2014, e atua como coautora do Ministério Público Federal e da União em 18 ações de improbidade administrativa em andamento, além de ser assistente de acusação em 71 ações penais.

Cabe salientar que a Petrobras já recebeu mais de R$ 4,6 bilhões, a título de ressarcimento, incluindo valores que foram repatriados da Suíça por autoridades públicas brasileiras."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.