PUBLICIDADE

Gerente-geral da Petrobras depõe nesta 4ª

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

O depoimento do gerente-geral da Petrobras na Bacia de Campos, Carlos Eduardo Bellot, marcado para esta terça-feira, foi adiado para quarta-feira, às 11 horas, na Polícia Civil, em Macaé, RJ. Também vão depor os coordenadores da plataforma P-36, Hélio Galvão, responsável pelas operações em alto-mar, seu substituto, Paulo Antônio Vianna, e Claronildo Covas dos Santos, que ficava com a coordenação da plataforma em terra. Em decorrência do acidente na plataforma morreram 11 funcionários da estatal. O delegado titular de Macaé, Antônio Carlos Carvalho, conta que enviou a intimação para a Petrobras nesta segunda-feira, fixando esta terça como a data para os depoimentos. No fim da tarde desta segunda, no entanto, a empresa enviou um ofício à delegacia, pedindo que os depoimentos fossem adiados. "A empresa alegou que Bellot estaria viajando e que, como os outros engenheiros não moram em Macaé, não havia dado tempo de notificá-los", disse o delegado. Carvalho explica que normalmente a polícia é "flexível" no que diz respeito a pedido de adiamento de depoimento. "Pedir o adiamento pela segunda vez é que poderia ser considerado má-fé", avalia o policial. "Nestes casos de grande repercussão é normal que as empresas peçam adiamentos, pois às vezes o depoente ainda precisa de alguma preparação para depor". Embora tenha dito, durante a semana passada, que o depoimento de Bellot seria essencial para estabelecer uma linha para as investigações, o delegado declarou que o não comparecimento do engenheiro não interrompe o inquérito. "Amanhã (quarta-feira) vou ouvir o presidente do Sindipetro, Fernando Carvalho, e um representante da Associação dos Engenheiros da Petrobras", disse. O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense fez acordo com a Petrobras para indicar um dos integrantes de sua diretoria para a comissão de investigação do acidente com a plataforma P-36, na Bacia de Campos. O sindicato já havia feito este pedido à Justiça, que o acatou, determinando que a pessoa indicada não poderia pertencer aos quadros da entidade. Em reunião, o sindicato se comprometeu com a Petrobras a retirar esta ação, enquanto a empresa, em troca, autorizou a indicação de um sindicalista. O diretor de Comunicação e Informações do sindicato, advogado e operador de produção, Antonio Carlos Rangel, foi o nome indicado. Luiza Botelho, diretora do sindicato, disse que esta é a primeira vez que um representante do sindicato dos petroleiros participará de uma comissão de inquérito na Petrobras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.