PUBLICIDADE

Greenpeace assume ter deixado mala com alarme em comissão da Câmara

Em nota, organização reitera que continuará mobilizada contra o uso de agrotóxicos no País

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

BRASÍLIA - O Greenpeace assumiu ter deixado uma pasta contendo um alarme de moto no plenário 6 da Câmara dos Deputados na quarta-feira, 20, onde era realizada uma reunião para discussão do projeto que altera as regras para registro, comercialização e uso de agrotóxicos no País. 

Mala com artefato semelhante a uma bomba foi deixada no plenário 6 da Câmara dos Deputados, onde era realizada reunião para discussão do projeto que altera as regras sobre agrotóxicos no País Foto: Lígia Formenti / Estadão

PUBLICIDADE

Segundo a assessoria de imprensa do Greenpeace, o "protesto teve como objetivo chamar a atenção para os riscos da aprovação do projeto, que libera ainda mais agrotóxicos no Brasil". Em nota, a organização afirma que o equipamento foi retirado do local pouco depois. A sessão continuou, sendo suspensa mais tarde devido ao início da ordem do dia no Plenário da casa. O texto reitera que o alarme "não representava risco algum para a segurança dos presentes" e acrescenta que continuarão "mobilizados".

+++ Ordem do Dia da Câmara suspende votação de PL dos Agrotóxicos

Nesta sexta-feira, 22, as Associações dos Produtores de Milho (Abramilho), Algodão (Abrapa) e Soja (Aprosoja Brasil) divulgaram nota de repúdio à iniciativa do Greenpeace.

"Não é aceitável que, sob o argumento de 'alerta contra o PL', conforme divulgou em sua página, o organismo faça uso de objeto que simula uma arma para coagir os presentes. Diante da gravidade da situação, o setor produtivo pede transparência nas investigações e a punição dos responsáveis pelo ato", diz o texto.

++ Ruralistas tentam avançar com projeto que flexibiliza regras de agrotóxicos

No dia do ocorrido, a presidente da comissão especial, deputada Tereza Cristina (DEM/MS), afirmou que o artefato não apresentava riscos.

Publicidade

"A identificação da mala não determinou a interrupção, mas mostra a necessidade de se controlar a entrada na sala de comissão", complementou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.