PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Crônicas sobre política municipal. Cultura brasileira local sob olhar provocativo | Colaboradores: Eder Brito, Camila Tuchlinski, Marcos Silveira e Patricia Tavares.

Vereador quer ônibus grátis para missionários cristãos

Na semana passada, trouxemos o caso da deputada da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul Liziane Bayer, que criou um projeto de lei para regulamentar a presença da Bíblia no plenário da Câmara (link do post aqui: http://politica.estadao.com.br/blogs/humberto-dantas/legalize-ja-o-uso-da-beblia-na-assembleia-do-rio-grande-do-sul/). Hoje, mais um caso envolvendo religião no Legislativo.

PUBLICIDADE

Atualização:

Na Câmara Municipal de Fortaleza, no Ceará, o vereador Pastor Rolim, do PR, é o protagonista, apesar de não ser o titular da vaga. Está mais para um coadjuvante. A história é a seguinte: no fim de dezembro do ano passado, Pastor Rolim foi empossado para ocupar a vaga do vereador Adelmo Martins, do PROS, que está em licença por 120 dias. "Eu somarei, perante Fortaleza e nessa gestão, até o dia que eu estiver aqui", declarou o "vereador pastor", ou "pastor vereador". E para pôr em prática sua promessa, Rolim elaborou um projeto que prevê a passagem gratuita nos ônibus da cidade para missionários cristãos que estejam em ações de evangelização.

PUBLICIDADE

A proposta foi apresentada mais como uma "sugestão" ao prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, do PDT, já que trata-se de um Projeto de Indicação. Pastor Rolim pertence à Igreja Atalaia de Deus Vivo e não se sabe se ele perguntou ao titular da vaga de vereador sobre a proposta. Aliás, fica essa pergunta no ar: será que substitutos, suplentes de vereador que exercem o cargo por um determinado tempo, podem fazer o que quiser? Quer dizer, será que podem sugerir qualquer projeto de lei? Podem usufruir os mesmos benefícios, como carros oficiais ou verba de gabinete?

De toda forma, esse pode ser um pretexto para dois questionamentos. O primeiro deles é para pensar a respeito dos projetos bizarros propostos por alguns parlamentares, mais especificamente nos municípios. "Como vivem? O que fazem? Como pensam?" Esta última é fácil! E não dá pra falar só dos municípios pequeninos, pois o caso acima aconteceu em Fortaleza, capital de um Estado. Se fizéssemos uma lista das propostas bizarras ou, no mínimo, desnecessárias, daria para escrever um livro aqui no BLOG DO DANTAS. Quem sabe planejo para os próximos posts...

O segundo questionamento é sobre os benefícios que envolvem a cadeia da "área espiritual" no Brasil. Uma igreja tem diversos gastos com água, luz, telefone e outros. Você sabia que todas essas contas podem receber até 40% de desconto, além de isenção total de IPTU e IPVA e a recuperação dos valores pagos nos últimos cinco anos? Pois é, e isso ocorre independentemente de fiscalização da função "evangelização" de determinada igreja. Você já ouviu falar em blitze em templos ou auditoria para comprovar se os atos religiosos estão sendo praticados? Eu não.

Diante das discussões acima, gratuidade em transporte público para missionários cristãos em missões de evangelização dão um tapa na cara da sociedade, principalmente daqueles que estão desempregados, religiosos ou não.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.