PUBLICIDADE

Lula diz que vai apoiar candidato aliado onde PT não disputa e cita Boulos, Paes e João Campos

Presidente afirmou que tem base de apoio no Congresso “muito heterogênea” e que “cada eleição tem uma história”

PUBLICIDADE

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o PT apoiará candidatos a prefeito de partidos aliados onde a sua legenda não tiver um nome próprio na disputa. A declaração ocorreu nesta sexta-feira, 21, em entrevista à Rádio Meio, no Piauí. Em Teresina, capital do Estado, Lula disse que participará da campanha de Fabio Novo, que é do PT, para prefeito, mas em outras disputas a sigla do presidente fará diferente.

“Cada eleição tem uma história. Estou muito feliz com a possibilidade de Fabio Novo ser o prefeito de Teresina. Seria uma coisa extraordinária você ter um governador ativo e altivo como o Rafael (Fonteles, que também é do PT), e ao mesmo tempo ter um prefeito da capital na mesma sintonia”, disse.

O presidente Lula diz que vai apoiar candidatos de partidos aliados onde PT não lançar nome  Foto: Ricardo Stuckert / Presidencia da Republica

PUBLICIDADE

Na sequência, Lula afirmou que tem uma base de apoio no Congresso “muito heterogênea” e que esse fator é considerado nas decisões do PT ao apoiar candidatos nas eleições deste ano.

“Em outras cidades importantes, nós temos interesse de ter candidatos, nós vamos lançar. Onde eu não tiver candidato, eu vou apoiar o candidato aliado. O que eu não quero é que os adversários ganhem, porque os adversários são negacionistas”, disse.

Lula também citou como candidatura do PT o nome de Maria do Rosário em Porto Alegre (RS). Segundo o presidente, a atual deputada federal, é “uma candidata competitiva”.

O petista também reafirmou que apoiará os candidatos Guilherme Boulos (PSOL) para São Paulo, Eduardo Paes (PSD) para o Rio de Janeiro e João Campos (PSB) para Recife.

No caso de São Paulo, Lula disse que Boulos “chance de ganhar as eleições e pode ser prefeito”. Já Paes e Campos tentam a reeleição.

Publicidade

Lula afirmou, também, que considerará a sua base ampla no Congresso ao decidir se visitará o município durante a eleição. Ele indicou que pretende monitorar se houver uma “divergência profunda” entre o seu candidato e o do partido aliado.

“Eu vou ter que decidir se eu venho ou não venho. No caso de Teresina, eu estou dizendo que eu vou participar da campanha do Fabio, se ele necessitar”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.