PUBLICIDADE

Polícia Federal desfaz força-tarefa da Lava Jato em Curitiba

Após redução de equipe de trabalho, delegados não vão se dedicar exclusivamente à operação

PUBLICIDADE

Foto do author Daniel  Weterman

A força-tarefa da Operação Lava Jato na Polícia Federal do Paraná foi oficialmente desmembrada pelo órgão. A Superintendência Regional da PF no Estado divulgou uma nota nesta tarde de quinta-feira, 6, informando que os delegados que se dedicavam exclusivamente aos trabalhos da Lava Jato e da Operação Carne Fraca passam agora a atuar também em outros casos na Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (Delecor).

Faixas de apoio à Polícia Federal em frente à sede, em Curitiba, em março de 2015 Foto: Vagner Rosário/Futura Press

A Polícia Federal garante que a medida não vai acabar com as investigações da Lava Jato. "A medida visa priorizar ainda mais as investigações de maior potencial de dano ao erário, uma vez que permite o aumento do efetivo especializado no combate à corrupção e lavagem de dinheiro e facilita o intercâmbio de informações", informa a nota. Para suprir a demanda, a Superintendência informou que foi firmado um apoio de policiais do Espírito Santo para os trabalhos, incluindo dois ex-integrantes da força-tarefa da Lava Jato. A equipe chegou a ser composta por nove delegados e, atualmente, estava com quatro profissionais dedicados exclusivamente à operação. "O atual efetivo na Superintendência Regional no Paraná está adequado à demanda e será reforçado em caso de necessidade", destaca a Polícia Federal. "A Polícia Federal reafirma o compromisso público de combate à corrupção, disponibilizando toda a estrutura e logística possível para o bom desenvolvimento dos trabalhos e esclarecimento dos crimes investigados", afirma no texto. Na noite de quarta-feira, 5, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), comentou sobre o "fim" da equipe na PF. "A força-tarefa da Polícia Federal na Operação Lava Jato deixou de existir. Não há verbas para trazer delegados", disse o procurador. Além disso, o investigador criticou o presidente Michel Temer (PMDB), apontando corte de verbas no órgão. "Mas para salvar o seu mandato, Temer libera verbas à vontade", completou, ao compartilhar a publicação de uma notícia sobre a liberação de verbas parlamentares em meio à crise política. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.