PROS anuncia pré-candidatura de Pablo Marçal à Presidência; coach foi resgatado na Serra da Mantiqueira em janeiro

Foto: Reprodução/Youtube/Pablo Marçal

Marçal foi alvo de críticas após liderar um grupo em uma ‘expedição’ no Pico dos Marins sob condições climáticas desfavoráveis e sem os equipamentos necessários

Por Redação
Atualização:

O PROS anunciou que terá candidato próprio à Presidência da República. O escolhido pela legenda é o coach e influenciador digital Pablo Marçal. A decisão foi revelada em encontro da sigla em São Paulo, no sábado, 14, mas o lançamento oficial da pré-candidatura está marcado para a quarta-feira, 18, em evento da executiva nacional da sigla, em Brasília.

Marçal ficou conhecido após precisar ser resgatado pelos bombeiros junto a um grupo de 32 pessoas na Serra da Mantiqueira sob condições climáticas desfavoráveis, em janeiro. Ele liderava os turistas como parte de um treinamento que estimula pessoas a enfrentar situações desafiadoras, mas a chuva e o vento forte fizeram o grupo se perder.

Com 2.420 metros de altitude, o local, na região do Vale do Paraíba, é conhecido para turismo montanhoso no Estado de São Paulo, mas a Defesa Civil alertava para as condições impróprias para a escalada naquela ocasião.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Uma 'expedição' liderada por um coach no Pico dos Marins em Piquete (SP) foi alvo de críticas após mobilizar o Corpo de Bombeiros em uma operação de nove horas para o resgate de 32 pessoas. A subida ao pico foi feita em meio à forte chuva e ao vento, fora da época recomendada e sem os equipamentos necessários. Pablo Marçal, conhecido nas redes sociais como um 'coach messiânico', conduziu o grupo à montanha e agora lança pré-candidatura ao Planalto pelo PROS.
Uma 'expedição' liderada por um coach no Pico dos Marins em Piquete (SP) foi alvo de críticas após mobilizar o Corpo de Bombeiros em uma operação de nove horas para o resgate de 32 pessoas. A subida ao pico foi feita em meio à forte chuva e ao vento, fora da época recomendada e sem os equipamentos necessários. Pablo Marçal, conhecido nas redes sociais como um 'coach messiânico', conduziu o grupo à montanha e agora lança pré-candidatura ao Planalto pelo PROS. Foto: Reprodução/Pablo Marçal/Instagram

Na ocasião, Pablo postou a expedição nas redes sociais. Nas postagens, explicou que estavam em quatro grupos de 15 pessoas. “Dois grupos voltaram antes de 40% da subida, um ficou a 800 metros do Pico e o meu grupo chegou até o pico”, respondeu em interação com um internauta.

O coach também relatou que algumas barracas rasgaram e foram inundadas pela chuva e que cogitaram descer ainda durante a noite, mas desistiram. “Foi o pior dia de nossas vidas”, postou. Posteriormente, Pablo usou a rede social para informar que acionaram os bombeiros por terem perdido a comunicação com parte do grupo, mas que o desfecho foi sem gravidade.

Marçal se apresenta como “cristão, filantropo, empreendedor imobiliário e digital, mentor, estrategista de negócios, especialista em branding e jurista por formação”. Natural de Goiânia, ele costuma realizar palestras sobre empreendedorismo em diversas cidades.

Após o resgate, Marçal passou a vestir uma bandeira do Brasil e se engajar politicamente. No Instagram, onde tem mais de 2,2 milhões de seguidores, mistura conteúdos de suas palestras com materiais da pré-campanha.

Em evento em Barueri, no começo do mês, ele pediu que os presentes repetissem frases como “a minha ideologia é o reino, é a família, é a liberdade” e “eu sou a nação brasileira”.

Divergências

Em 2014 e 2018, o PROS compôs a coligação do PT ao pleito presidencial. Em 2020, dissidências internas colocaram a cadeira de presidente da sigla em disputa. A Executiva Nacional destituiu o então presidente Eurípedes de Macedo Júnior do cargo, ato tomado como “golpe partidário” pelo grupo que o apoiava.

Eurípedes chegou a recuperar o posto, mas uma decisão da 8ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios conduziu Marcus Holanda à presidência em 8 de março deste ano. O grupo contrário ao ex-presidente o acusava de usar recursos do fundo partidário para interesses pessoais e negociar alianças com o mesmo fim.

Em 22 março, a briga levou o partido a retirar a pré-candidatura de Cabo Daciolo ao governo do Rio de Janeiro. Após o diretório regional do PROS anunciar que ele disputaria o cargo, a executiva nacional do partido contestou a legitimidade da escolha do candidato.

Hoje, a bancada da sigla na Câmara dos Deputados tem 4 parlamentares, a metade do total eleito em 2018

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade