PUBLICIDADE

Senadoras decidem lançar candidata mulher para disputar a presidência do Senado

Eliziane Gama e Soraya Thronicke foram até Leila Barros para falar sobre a representatividade das mulheres na Mesa da Casa

PUBLICIDADE

Foto do author Jean Araújo

As senadoras Eliziane Gama (PSD-MA) e Soraya Thronicke (Podemos-MS) procuraram a líder da bancada feminina no Senado Federal, Leila Barros (PDT-DF) nesta quarta-feira, 10, para discutir sobre a próxima eleição interna pra a presidência da Casa, que ocorrerão em 2025. Ao Estadão, uma fonte próxima às parlamentares confirmou que elas planejam lançar uma candidata mulher para correr ao pleito.

PUBLICIDADE

A reunião tinha como objetivo discutir o protagonismo feminino na mesa do Senado. Ao final do encontro, as três firmaram um acordo pessoal para quebrar o ciclo de mais de 200 anos sem uma mulher a frente do Parlamento.

Atualmente, Soraya Thronicke e Eliziane Gama são os nomes favoritos para a candidatura. A ideia ainda é embrionária e precisa passar por protocolos partidários e por grupos políticos a fim de eventualmente definir pela escolha de um dos dois nomes.

Sem revelar informações detalhadas, Eliziane escreve em sua conta na rede social X (antigo Twiter) que um acordo foi “fechado para um grande projeto que mudará para sempre a história das mulheres no Senado”. A parlamentar anuncia que em breve haverá mais novidades.

Reunião das senadoras Eliziane Gama (PSD-MA), Soraya Thronicke (Podemos-MS) e Leila Barros (PDT-DF) para tratar sobre a representatividade feminina na mesa do Senado Federal Foto: Reprodução/@elizianegama via X(antigo Twitter)

Até o momento o ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre (União-AP), é o favorito para a disputa. Ele conta com o apoio do atual presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que assumiu o posto após ganhar nas eleições de 2021, no qual Simone Tebet (MDB) também concorria. Na época, o placar foi de 57 votos contra 21. No ano passado, Pacheco foi reeleito com 49 votos, contra 32 do senador Rogério Marinho (PL-RN).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.