Zema dá dicas culturais: House of Cards, livro de um Nobel de Economia e uma ode a Minas como música

Governador mineiro diz que já viu e gostou tanto que pensa em ver de novo a série que trata da disputa pelo poder no Congresso dos EUA e na Casa Branca

PUBLICIDADE

Atualização:
4 min de leitura

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, passou há duas semanas o que alguns poderiam chamar de inferno astral. Depois que afirmar em entrevista ao Estadão que o Nordeste é “vaquinha que produz pouco”, Zema caiu na berlinda e foi alvo de ataques de políticos de todas as colorações.

Na mesma entrevista que deu ao jornal, o governador deu suas sugestões para ler, ouvir e pensar nas horas vagas. Vem do político mineiro dicas sobre a série política americana sobre os bastidores do poder em Washington, uma música para lá de mineira e um livro de um Nobel de Economia.

Um livro

O governador recomenda para leitura a obra “Rápido e devagar - duas formas de pensar”, de Daniel Kahneman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia. Nela, o autor aborda como o pensamento pode ser rápido, intuitivo e emocional, mas também lento e racional.

O escritor já alerta no prefácio: “Por que damos ouvidos a fofocas? Porque é muito mais fácil, além de ser muito mais prazeroso, identificar e classificar os erros dos outros do que reconhecer nossos próprios erros”.

Continua após a publicidade

Capa do livro Rápido e Devagar, indicado pelo governador de Minas Romeu Zema Foto: Reprodução / Estadão

Uma série

Zema disse que já assistiu. Gostou tanto que já pensa em ver de novo. Está se referindo à série de TV “House of Cards”, estrelado por Kevin Spacey. Como diz o protagonista Frank Underwood, “poder é como imóveis: tudo se trata de localização. Quanto mais perto você está da fonte, mais valioso é seu imóvel”. A série retrata os bastidores da disputa pelo poder no Congresso americano pelo deputado que faz de tudo para assumir o poder.

Uma música

Zema é mineiro até na hora de escolher uma música para indicar. Sugere a composição de Marcus Viana que faz uma ode a Minas Gerais. Do começo ao fim a letra, exalta as qualidades do Estado: da broa de milho ao café. Do fogão de lenha a Ouro Preto. Como diz a letra:

“Se o mundo é grande demais,

Continua após a publicidade

Sou carro de boi,

Sou canção e paz,

Sou caminho entre a terra e o céu,

Sou Minas Gerais”.

Ficha técnica:

Um livro: Rápido e devagar - duas formas de pensar”, de Daniel Kahneman

Continua após a publicidade

Uma música: Pátria Minas, Marcus Viana

Uma série: House of Cards

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Notícias em alta | Política






Veja mais em politica