PUBLICIDADE

Gol e Latam buscarão mais de 3 mil brasileiros presos no Peru após fechamento da fronteira

Empresas estão em contato com o Itamaraty e a Anac para fechar a estratégia e definir datas e quantidade de voos; há 3.700 turistas brasileiros no país

PUBLICIDADE

[---#{"ESTADAO-CONTEUDO-SNIPPET":[{"ID":"16","URL":"","PROVIDER":"IO"}]}#---]   

PUBLICIDADE

BRASÍLIA - As companhias aéreas Gol e Latam entraram em acordo com o governo e buscarão turistas brasileiros que estão presos no Peru depois de o país fechar as fronteiras para conter o avanço do coronavírus.

O Estado apurou que as duas empresas estão em contato com o Ministério das Relações Exteriores e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para fechar a estratégia e definir datas e quantidade de voos.

Peru fechou as fronteiras em 15 de março Foto: REUTERS/Sebastian Castaneda

Segundo o Itamaraty, há cerca de 3.700 turistas brasileiros no Peru. Os dados são do serviço de migrações do governo peruano, que não especificou os locais de origem dos turistas. Na avaliação de um diplomata, no entanto, o número deve ser maior.

Em nota, o Itamaraty informou que a Embaixada do Brasil teve autorização para a saída dos turistas brasileiros e está acompanhando a “delicada situação” dos turistas que estão tentando retornar ao Brasil após a decretação do estado de emergência pelo governo peruano.

“No momento, continuam sendo mantidas conversas com companhias aéreas, com vistas a mobilizá-las para viabilizar o rápido regresso dos brasileiros”. O Peru decretou quarentena obrigatória e o fechamento das fronteiras no domingo, 15, após o país registrar 28 novos casos de infecção pelo novo coronavírus em apenas um dia. A determinação é válida até o dia 30 de março.

A medida permite às Forças Armadas e à polícia atuar para manter a ordem pública e impedir a aglomeração de pessoas ruas. Apenas farmácias, bancos e mercados de alimentos permanecerão abertos.

Publicidade

Receba as principais atualizações sobre o coronavírus no seu email. Clique aqui e se inscreva.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.