PUBLICIDADE

Tradições marcam Marechal Deodoro

Casa de Deodoro da Fonseca é apenas um dos destaques da antiga capital

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

Do casario antigo aos bordados de filé. Do Complexo Franciscano ao gosto pela música. Em Marechal Deodoro, cidadezinha de 42 mil habitantes, história e tradições sobrevivem à passagem do tempo. Fundada no início do século 17 com o nome de Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul, a antiga capital de Alagoas (1823 a 1839) foi tombada em agosto pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A secretária municipal de Cultura, Jô Rodrigues, considera o título uma vitória. ?Pode nos ajudar a conseguir parceiros para a manutenção das construções históricas.? Ela acredita, também, que o fluxo de turistas interessados no patrimônio deve aumentar. Vale a pena reservar ao menos uma tarde para conhecer Marechal Deodoro. Seguindo pela Rua Doutor Tavares Bastos, o visitante passa por um conjunto de casas construídas no século 19. A principal delas é onde nasceu, em 1827, o militar que proclamou a República - e hoje empresta o nome à cidade. De original, só resta a fachada, restaurada na década de 1970. A casa foi transformada em museu em 1983. Guias dão uma breve explicação sobre a história do município e da família de Deodoro da Fonseca. O marechal viveu na casa até os 16 anos, quando se mudou para o Rio. O imóvel já havia sido tombado pelo Iphan em 1964, junto com o Complexo Franciscano, composto pela Igreja de Santa Maria Madalena e o Convento São Francisco, onde funciona o Museu de Arte Sacra. Mas diferentemente da casa de Marechal Deodoro, o complexo, construído entre 1660 e 1793, está malconservado. A única maneira de observar as belas pinturas no teto da igreja, feitas pelo pernambucano José Elói, é por uma sacada no museu. A igreja está fechada para visitação há anos. No museu, são cobrados R$ 2 de entrada e não é permitido tirar fotos. Ali, encontram-se imagens barrocas dos séculos 17, 18 e 19. A mais antiga é a estátua de Nossa Senhora do Ó, esculpida em madeira e pintada com ouro em pó. Cultura Mas não é apenas o patrimônio histórico que faz de Marechal Deodoro um lugar imperdível. As tradições - que passam de pai para filho (ou de mãe para filha) - fazem da cultura uma atração à parte. Andando pelas ruas da cidade, é muito comum encontrar mulheres conversando, na porta de casa, enquanto bordam utilizando a técnica do filé, que trança os fios formando estrelas nos tecidos. Jandira Maia, de 66 anos, é uma delas. ?Aprendi com minha mãe?, conta ela, que manda o artesanato produzido para ser vendido no Pontal da Barra, tradicional reduto de artesãos em Maceió. Ela faz uma toalha de 2,5 metros de comprimento em 15 dias e vende por R$ 40. No Espaço Cultural Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul, diversos grupos de artesãos reúnem-se para trabalhar. Lá, é possível observar pessoas como Floraci Maia dos Santos, de 73 anos, que usa a técnica do labirinto - consiste em puxar fios de tecidos, criando desenhos. ?Aprendi com meu marido. Ele faz isso há 32 anos.? Marechal Deodoro também é muito conhecida por sua musicalidade. Há duas orquestras filarmônicas no município, e boa parte dos moradores sabe tocar ao menos um instrumento musical. Entre os personagens mais tradicionais da cidade está José Romero Neto, de 78 anos, o Zezinho do Sax. ?Toco desde os 15 anos?, conta ele, para depois emendar a música-tema do filme Titanic. Zezinho do Sax já foi maestro das duas filarmônicas e diz que não pensa em parar. ?Adoro tocar.?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.