Reforma de Notre-Dame após incêndio quer preparar catedral para mudanças climáticas

Foto: STUDIO ALMA / AFP

Os planos exigem mais árvores ao redor da famosa catedral de Paris, que está sendo reconstruída após um incêndio devastador em 2019, e um sistema de refrigeração em frente ao prédio

Por Aurelien Breeden

Continua após a publicidade

THE NEW YORK TIMES, PARIS - Uma reforma da área ao redor da Catedral de Notre-Dame, em Paris, vai abri-la em direção ao rio Sena e ajudar milhões de visitantes a fluir mais facilmente, além de mitigar os efeitos das mudanças climáticas, disseram autoridades municipais nesta segunda-feira, 27.

Notre-Dame, devastada por um incêndio em 2019, está fechada para visitantes e ainda está sendo reconstruída, com planos de reabrir parcialmente em 2024, bem a tempo dos Jogos Olímpicos de Paris.

O redesenho discreto da área ao redor de Notre-Dame, que deixa praticamente intacta a longa e retangular praça de pedra em frente à catedral, não alterará radicalmente o bairro. Mas autoridades de Paris disseram que as mudanças planejadas melhorariam a experiência dos visitantes e tornariam a cidade mais resiliente diante do aumento das temperaturas.

Continua após a publicidade

A prefeita Anne Hidalgo, de Paris, disse em uma entrevista coletiva na segunda-feira que Notre-Dame “deveria ter sua beleza preservada e ter tudo ao seu redor como uma vitrine dessa beleza”.

Mas, acrescentou, “uma cidade como a nossa não pode mais pensar fora das mudanças climáticas”.

Vista aérea da praça da catedral de Notre-Dame em Paris
Vista aérea da praça da catedral de Notre-Dame em Paris Foto: STUDIO ALMA/AFP

O redesenho prevê a remoção de cercas para estender e mesclar parques ao redor de Notre-Dame, tornando as ruas vizinhas mais amigáveis para pedestres, além de aumentar em 30% a vegetação na área, incluindo árvores para fornecer sombra adicional.

Os planos também preveem a transformação de um estacionamento que está atualmente sob a praça principal da catedral em uma passarela subterrânea que se abre para as margens do Sena e fornece acesso a um centro de boas-vindas e um museu arqueológico, disseram autoridades.

O novo design inclui um sistema de resfriamento que enviará um fio de água de cinco milímetros de espessura escorrendo pela praça em frente à catedral durante os dias de calor, o suficiente para baixar as temperaturas em vários graus sem inundar a área – e para dar aos turistas um pano de fundo cintilante para suas fotos, acrescentaram as autoridades.

A prefeitura de Paris vai pagar pelo projeto, com um orçamento de 50 milhões de euros.

A área seria reaberta em 2024, quando a maior parte da reconstrução da catedral está programada para terminar, para que os fiéis possam mais uma vez usar o espaço. Mas a reforma dos arredores da catedral não começará de verdade até que o local esteja livre de andaimes de construção, e não deve ser concluída até 2027.

A cidade organizou um concurso internacional de arquitetura e paisagismo para o redesenho, com funcionários da cidade, da diocese de Paris e da força-tarefa encarregada da reconstrução de Notre-Dame atuando como júris. A cidade também organizou uma consulta de seis meses com moradores e empresas locais, e uma comissão de 20 cidadãos selecionados aleatoriamente forneceu informações.

Vista mostra os andaimes ao redor da Catedral de Notre-Dame de Paris, enquanto o trabalho continua para reconstruir o telhado e a torre destruída pelo fogo, em Paris, França, em maio de 2022
Vista mostra os andaimes ao redor da Catedral de Notre-Dame de Paris, enquanto o trabalho continua para reconstruir o telhado e a torre destruída pelo fogo, em Paris, França, em maio de 2022 Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters

A equipe vencedora é liderada por Bas Smets, um arquiteto paisagista belga, e inclui GRAU, um estúdio francês de arquitetura e urbanismo, e Neufville-Gayet, uma agência de arquitetura francesa.

Smets disse que a praça em frente à catedral deveria ser uma “clareira” cercada por árvores, destacando a famosa fachada oeste de Notre-Dame, criando novas vistas para o Sena e oferecendo alívio do aumento das temperaturas.

“Ao trabalhar com vento, sombra e umidade, podemos criar um microclima ao redor da catedral que aumenta a resiliência da cidade e a prepara para um futuro climático incerto”, disse ele.

Hidalgo, que foi eleita pela primeira vez em 2014, prometeu transformar Paris em uma cidade mais verde, reduzindo drasticamente o número de carros que circulam no coração da capital francesa e aumentando o número de ciclovias.

A Praça João XXIII, um parque atrás da catedral que atualmente está cercada, será aberta, com novos gramados se estendendo até a borda da Île de la Cité, a ilha do Sena onde fica a catedral. O parque também se fundirá com os jardins que percorrem a borda sul da catedral, criando um espaço verde de quase 400 metros de comprimento, onde os visitantes poderão admirar os arcobotantes e os vitrais da catedral.

Cerca de 13 milhões de turistas visitavam Notre-Dame todos os anos antes do incêndio, serpenteando em longas filas aleatórias na frente e aglomerando nas ruas estreitas ao redor.

Fumaça sobe enquanto as chamas queimavam o telhado da Catedral de Notre-Dame de Paris em 15 de abril de 2019, na capital francesa, Paris
Fumaça sobe enquanto as chamas queimavam o telhado da Catedral de Notre-Dame de Paris em 15 de abril de 2019, na capital francesa, Paris Foto: FABIEN BARRAU / AFP

O incêndio de 2019 destruiu a treliça das enormes e antigas madeiras que compunham o sótão de Notre-Dame, onde o fogo começou, derreteu o revestimento de chumbo do telhado e colocou em risco a estabilidade geral da icônica estrutura de pedra que durou oito séculos. Uma causa definitiva do incêndio nunca pode ser determinada; as principais teorias são um curto-circuito elétrico ou um cigarro descartado por um trabalhador no sótão.

No ano passado, o edifício foi estabilizado e os trabalhos de restauração e reconstrução estão em andamento, de acordo com a promessa ambiciosa do presidente Emmanuel Macron de reabrir a catedral até 2024. O órgão da catedral está sendo limpo e 1.000 carvalhos foram derrubados em todo o país para reconstruir a torre e o sótão.

Macron abandonou a ideia de substituir a torre do século 19 da catedral por uma contemporânea, mas os planos para modernizar o interior do edifício receberam luz verde em dezembro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade