Conteúdo Patrocinado

Transformação e crescimento: o case de sucesso da Kovr Seguradora

Ao criar produtos customizados para as necessidades reais das pessoas, empresa vê crescimento exponencial do faturamento em apenas três anos

PUBLICIDADE

Por Kovr Seguradora e Estadão Blue Studio
4 min de leitura
O CEO do Grupo, Thiago Leão de Moura, tem 23 anos de experiência no mercado de seguros Foto: DIEGO PADGURSCHI

Todos os setores da economia dependem, cada vez mais, de tecnologia e inovação, e no mercado de seguros não é diferente. O grupo Kovr — composto por uma seguradora de ramos gerais (Kovr Seguradora), uma de previdência (Kovr Prev) e outra de capitalização (Kovr Cap) — se reinventou em 2020, após a união de grandes líderes do setor para atender a grandes corporações com soluções moldadas ao perfil dos clientes, dentro da estratégia de white label.

Leia também

Gerada a partir de uma reformulação da InvestPrev e da Invest Capitalização, que já atuavam por quase meio século no Rio Grande do Sul, a Kovr iniciou a operação no modelo B2B2C dentro da seguradora de ramos gerais, alcançando um rápido crescimento nos três primeiros anos. Sob nova gestão, o grupo segurador chega ao fim do ano à beira dos R$ 2 bilhões de faturamento e, de quebra, sendo reconhecida pelo Estadão como Top 5 Seguradoras Gerais no prêmio Finanças Mais.

Continua após a publicidade

Parte expressiva dessa expansão ocorreu graças à Seguradora de Ramos Gerais: em 2023, o número de apólices emitidas por ano saltou de 45 mil para mais de 2,5 milhões, quadruplicando a receita nos últimos três anos.

O tíquete médio das apólices foi reduzido de R$ 1,3 mil ao ano para R$ 195 ao ano, ou apenas R$ 16,25 ao mês, o que evidencia a estratégia da seguradora de trabalhar a democratização dos seguros no País. Isso só se torna possível com a oferta de produtos que estejam ligados à vida cotidiana das pessoas e que tenham um valor claramente percebido pelos clientes. Um bom exemplo são os seguros contra perda e roubo de cartão, seguro para celular e seguro cyber pessoa física, modalidades que a empresa oferece a partir de R$ 4,90 por mês.

O diretor comercial Renato Rennó é especialista em grandes riscos Foto: DIEGO PADGURSCHI

Continua após a publicidade

Tecnologia + talentos

“Tivemos que desenvolver as bases do novo negócio em plena pandemia, quando o acesso ao mercado estava complexo. Com isso, focamos ainda mais na decisão de investir em tecnologia como o grande diferencial da Kovr”, lembra o CEO, Thiago Leão de Moura, ex-presidente da BTG Seguradora. Com 23 anos de experiência no mercado de seguros, incluindo passagens por grandes bancos, ele é pós-graduado em Administração pela Wharton School, na Pensilvânia, Estados Unidos.

O time montado para liderar o grupo Kovr se completou com dois outros profissionais de destaque no mercado. Eduardo Viegas, o COO (diretor de operações), ex-presidente da Berkley Brasil, também acumula duas décadas de experiência, especialmente em subscrição para grandes seguradoras internacionais. Já Renato Rennó, o CCO (diretor-comercial), é ex-vice-presidente comercial da THB Group Brasil e especialista em grandes riscos, com 15 anos de experiência no mercado segurador.

Continua após a publicidade

Eduardo Viegas, à frente das operações, completa a liderança da Kovr Foto: DIEGO PADGURSCHI

Quando os três líderes assumiram a gestão dos grupo, as empresas tinham, em conjunto, 186 funcionários. Muitos deles foram reconhecidos pela grande capacidade e aceitaram a mudança para São Paulo — a Kovr está instalada no Pátio Malzoni, referência de prédio corporativo sustentável, localizado na Faria Lima. Houve ainda novas contratações, especialmente para reforçar o time de tecnologia, já que tudo na empresa é desenvolvido internamente.

Mesmo assim, a equipe atual é composta por 153 pessoas, quase 20% menor que a original. “Investimos para ter profissionais de alta capacidade e desempenho, porque nada pode ser mais crucial do que isso”, observa Rennó. “Tecnologia, Pessoas e Cultura são os três pilares da Kovr”, completa Moura.

Continua após a publicidade

Percepção de valor

Outro mantra dentro da Seguradora de ramos gerais é não ter produtos prontos, “de prateleira”, para que o cliente escolha aqueles que, eventualmente, mais se aproximem das suas necessidades. A ideia é inverter esse fluxo tradicional para desenhar exatamente o que o cliente está precisando. Para isso, a Kovr Seguradora faz um estudo aprofundado sobre o perfil de cada nova empresa parceira conquistada. “Os produtos precisam levar em conta as características específicas dos consumidores-alvo, a exemplo da faixa de renda. A tecnologia que temos hoje permite um alto nível de customização quando cruzamos uma série de dados”, observa o CEO.

A Kovr Seguradora se diferencia também por ajudar os parceiros a entender melhor a jornada do consumidor, buscando oportunidades mais inteligentes de oferecer seguros. Assim, em vez de esperar que o cliente decida procurar um seguro contra perda/roubo de cartão ou seguro para celular, essa oferta pode ocorrer de forma proativa em momentos naturalmente associados a esses riscos.

Continua após a publicidade

Os produtos da empresa são sempre concebidos com base no entendimento do que as pessoas estão de fato precisando, e não no foco do que o mercado imagina que elas precisam ou gostariam que comprassem. Um bom exemplo nesse sentido foi a criação de uma linha de seguros de veículos que proporciona uma alternativa de meio-termo para clientes que, até então, não tinham esse tipo de seguro, maioria entre os proprietários de carro no Brasil.

Muitos não conseguem arcar com os custos de uma apólice nos moldes tradicionais, que incluem uma série de coberturas-padrão, e, diante disso, se veem submetidos à necessidade de correr 100% de risco. A alternativa de meio-termo oferecida pela Kovr Seguradora reduz o nível de risco mediante o pagamento de valores proporcionais, bem mais acessíveis.

Grande parte da missão do grupo é contribuir para mudar a relação dos brasileiros com o seguro, visto muitas vezes apenas como uma “obrigação” ou como “dinheiro jogado fora”. “Quando você oferece às pessoas opções que se adaptem melhor à situação real delas, esses produtos ganham outro nível de interesse e de percepção de valor”, observa Moura.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.